AGU recorrerá contra suspensão de verba para ministros

Justiça do Rio Grande do Sul determinou a suspensão da remuneração acima de R$ 26,7 mil

Vannildo Mendes - Agência Estado,

26 de outubro de 2012 | 20h05

BRASÍLIA - A Advocacia-Geral da União (AGU) recorrerá da decisão da Justiça Federal do Rio Grande do Sul, que determinou a suspensão da remuneração acima do teto salarial do funcionalismo, de R$ 26,7 mil, que é paga a 11 ministros do governo da presidente Dilma Rousseff. Entre os ministros atingidos, estão Guido Mantega (Fazenda), Miriam Belchior (Planejamento) e Celso Amorim (Defesa), cujas remunerações chegam a até R$ 40 mil mensais em razão de participarem de conselhos de empresas estatais.

Para a AGU, a atividade exercida por agente público em conselho deliberativo, de administração e fiscal nessas estatais "não se configura contratual, mas de caráter representativo". Portanto, acrescenta o órgão, essas atividades não se inserem na vedação prevista no Artigo 37 da Constituição Federal, que instituiu como maior remuneração pública o salário de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo a AGU, as verbas de caráter indenizatório previstas em lei, o que inclui os jetons dos conselheiros, estão isentas da regra em face da natureza da atividade. A decisão da Justiça Federal gaúcha foi adotada, em caráter liminar, pelo juiz Nórton Luís Benites, da Comarca de Passo Fundo, com parecer favorável do Ministério Público Federal (MPF). O juiz entendeu que ser conselheiro de estatal "é função pública "lato sensu" e os detentores desses cargos são agentes públicos". Ele deu dez dias para que a União corte a remuneração que exceder o teto e advertiu que os ministros podem ser obrigados a ter que devolver os valores indevidos. A decisão cabe recurso.

Os demais ministros atingidos foram Fernando Pimentel (Desenvolvimento), Helena Chagas (Comunicação de Governo), Marco Raupp (Ciência e Tecnologia), Paulo Bernardo (Comunicações), Paulo Sérgio Passos (Transportes), Tereza Campello (Combate à Fome) e Wagner Bittencourt (Aviação Civil), além do próprio chefe da AGU, Luiz Inácio Adams. Todos eles, conforme a ação, estariam acumulando indevidamente os cargos exercidos no governo federal com funções consultivas em sociedades controladas pelo poder público.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.