Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

AGU entra com recurso no STF para bloquear bens de Léo Pinheiro

Desbloqueio foi autorizado pelo ministro Marco Aurélio Mello em agosto

Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2016 | 12h53

BRASÍLIA - A Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com um recurso no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo que o ministro Marco Aurélio Mello reconsidere a decisão que autorizou, em medida liminar, o desbloqueio dos bens de Léo Pinheiro e Agenor Franklin Medeiros, respectivamente ex-presidente e ex-diretor-presidente da área internacional da OAS.

Os dois tiveram os bens bloqueados em agosto pelo Tribunal de Contas da União (TCU) após a aprovação de um relatório, que indicou superfaturamento de R$ 2,1 bilhões em obras da refinaria de Abreu e Lima, localizada em Pernambuco.

Os advogados dos executivos argumentaram, entre outras coisas, que cabe ao Poder Judiciário - e não ao TCU - impor medidas de restrição de bens de particulares. Além disso, pedem direito a contraditório, ou seja, de se defender e prestar informações no processo.

"A atuação do TCU no ato impugnado se reveste de plena legitimidade, e recusar a possibilidade de decretação de indisponibilidade - que a bem da verdade apenas impõe restrições garantidoras que impedem a dilapidação daqueles bens - não é proporcional e adequado para garantir que a Corte de Contas cumpra suas obrigações constitucionais", sustenta a AGU.

Argumento. Ao autorizar a livre movimentação dos bens de Léo Pinheiro e Agenor Franklin Medeiros, Marco Aurélio alegou na época que "a manutenção da indisponibilidade de bens pode sujeitá-los à insolvência".

Para a AGU, no entanto, a medida adotada pelo TCU não poderia resultar em "qualquer risco ou perigo de levar os impetrantes a uma eventual insolvência, visto que o patrimônio continua na propriedade dos recorridos, estando apenas e transitoriamente indisponíveis".

"O que não se pode admitir é o afastamento puro e simples de toda a indisponibilidade de bens sob o argumento genérico que poderia levar os impetrantes à insolvência. Ao revés, a efetivação das medidas acautelatórias de indisponibilidade de bens se apresenta necessária porquanto o risco da demora ameaça o erário, uma vez que pode tornar inócuas as apurações do TCU", afirma a AGU. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.