Agripino prevê que CCJ aprovará indicação de Toffoli para STF

Líder do DEM disse que Toffoli começou "mal" na sabatina e quase foi "nocauteado" pelos senadores

Carol Pires, da Agência Estado,

30 de setembro de 2009 | 17h43

A avaliação do líder do DEM, José Agripino Maia (RN), sobre a indicação do advogado-geral da União, José Antônio Dias Toffoli, para a vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) é a de que ela deve ser aprovada facilmente na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Toffoli está sendo sabatinado na CCJ há mais de cinco horas nesta quarta-feira. Durante a reunião, está sendo feita a votação secreta para aprovar ou não a indicação.

 

Agripino disse à Agência Estado que Toffoli começou "mal" na sabatina e quase foi "nocauteado" pelos senadores, mas, segundo o senador, com o passar das horas, o advogado ficou mais "seguro" em suas respostas. "No começo, ele gaguejou, tossiu, mas agora melhorou. Acho que ele terá maioria na comissão", disse o senador.

 

O líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM), também sinalizou boa-vontade para com a indicação do advogado ao ler, durante a reunião, trecho de um e-mail enviado por Tom Villas Boas, advogado do PSDB, recomendando a aprovação da indicação. Toffoli mostrou-se emocionado com a mensagem.

 

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), está confiante na aprovação da indicação de Toffoli na CCJ e disse que espera votar a mensagem presidencial em plenário ainda hoje. O senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), em contrapartida, prevê que a reunião da comissão se arrastará até o início da noite e não haverá quórum para votar a indicação em plenário.

 

"Na sabatina, ele está bem, não senti muita rejeição, mas, no plenário, precisa ter quórum alto para o governo não arriscar perder na votação. Com quórum baixo, é perigoso, porque, quando o voto é secreto, dá uma vontade danada de trair... Eu, não - que fique claro", disse Garibaldi Alves.

Tudo o que sabemos sobre:
AgripinoCCJindicaçãoToffoliSTF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.