Agricultura familiar é 'mais produtiva', defende ministro Cassel

Chefe do Desenvolvimento Agrário afirma que Censo comprovou eficiência econômica deste tipo de produção

estadao.com.br,

13 de outubro de 2009 | 16h49

Ao detalhar, nesta terça-feira, 13, aspectos de projetos idealizados pelo ministério do Desenvolvimento Agrário para estimular a agricultura familiar, o chefe da pasta, Guilherme Cassel, afirmou que o governo acerta ao criar três programas que dão suporte a este tipo de produção. Segundo o ministro, as modalidades agropecuárias voltadas para o plantio de alimentos por famílias em pequenas propriedades têm demonstrado mais eficiência que outros tipos de culturas existentes no campo.  

 

Veja também:

linkPesquisa: 46% dos assentados compraram terras ilegalmente

linkMinistro do Desenvolvimento Agrário nega repasses ao MST

linkPara CNA, 46% dos assentados compraram terras ilegalmente

linkEm resposta a Cassel, Kátia Abreu nega perseguição ao MST

lista Os principais pontos da pesquisa

tabela A íntegra da pesquisa

 

O ministro falou durante audiência pública no Senado, momentos antes da divulgação de uma pesquisa sobre a reforma agrária encomendada pela principal entidade de ruralistas do país. De acordo com o levantamento da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), 72,3% dos assentados não produzem o suficiente para a geração de renda.

 

Cassel explicou que as iniciativas Território da Cidadania, Mais Alimentos e Terra Legal fazem parte de uma política pública de fortalecimento e estímulo à agricultura familiar brasileira, que hoje ocupa cerca de 4,5 milhões de estabelecimentos rurais do país. Cassel alegou que, do ponto de vista econômico, o Censo Agropecuário de 2006 comprovou a eficiência da agricultura familiar, que responde atualmente pela maioria dos alimentos que abastecem o país, apesar de ocupar menos de 25% da área agricultável.

 

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção familiar lidera a produção de mandioca, feijão, leite, aves e suínos. Para além disso, disse Cassel, essa modelo de produção agrícola responde por 74,4% do pessoal ocupado no meio rural, o que significa mais de 12 milhões de trabalhadores. O rendimento médio da agricultura familiar é R$ 677 por hectare, enquanto nas demais modalidades, o rendimento é de R$ 358 por hectare.

 

"Em outras palavras, podemos dizer que com esses programas nós estamos invertendo a curva de êxodo rural, ao menos no que se refere à agricultura familiar, por meio de uma política fundiária mais equilibrada no país", argumentou Cassel.

 

Agricultura em grande escala

 

Apesar de ter defendido o investimento em programas que estimulem a produção agrícola familiar, o ministro Guilherme Cassel afirmou que o governo também apoia a agricultura de escala.

 

"Esse governo defende um clima de discussão menos contaminado, onde questões da agricultura não sejam tratadas como de oposição. Essa é, na verdade, a vantagem competitiva do Brasil, e não um problema. Temos que superar o ranço que consiste em tratar o tema de forma conflituosa", declarou Cassel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.