Agora ministra, Marta Suplicy adota ´estilo light´

Há uma nova Marta Suplicy na Esplanada. A ex-prefeita de São Paulo, que assumiu na última sexta-feira, 23, o Ministério do Turismo, não quer comprar briga com ninguém. Dona de temperamento explosivo, Marta ficou preocupada com comentários de que iria trombar com a chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. Após imensa pressão do PT para encaixá-la na equipe, quer mostrar que não está no governo para criar caso. Em conversas reservadas, diz ter aprendido a não cair em "cascas de banana" e a evitar intrigas. Parece mesmo outra mulher, mais cautelosa. "Tenho que falar sobre o que me concerne", alega.Interlocutores do presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmam não ter sido apenas o ruidoso protesto do PP que tirou Marta do páreo na disputa petista para ocupar o Ministério das Cidades. Dizem que Lula não se esforçou para acomodar Marta na pasta porque ela teria de negociar diretamente com Dilma. "Eu sei que as duas têm temperamento forte", argumentou Lula, segundo relato de auxiliares no Planalto.Embora o projeto de Marta para vitaminar sua pré-candidatura à Prefeitura de São Paulo, em 2008, e o sonho de disputar a sucessão de Lula, em 2010, passem pelo Palácio do Planalto, ela está convencida de que o PT deu cotoveladas desnecessárias no longo processo da reforma ministerial. Psicanalista, a ex-prefeita pretende agora recuperar a imagem de "fazedora" - como ela mesma definiu - e não alimentar a impressão de que está disposta a ofuscar os principais ministros do governo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.