Agora, começa movimento por fim do voto secreto

Proposta em estágio mais avançado de tramitação está parada na Câmara há um ano

Denise Madueño, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

07 Setembro 2014 | 00h00

Em clima de ressaca pela absolvição de Renan Calheiros (PMDB-AL), parlamentares se movimentaram para tentar aplicar uma espécie de vacina ética no Congresso. Senadores de oposição e até mesmo da base aliada acertaram ontem que apresentarão um pedido de urgência para a aprovação dos projetos de resolução que tornam abertas as sessões destinadas a votar perda de mandato, hoje secretas, e fim do voto secreto em plenário para a cassação de mandato. Segundo os senadores, se o voto fosse aberto, Renan não teria sido absolvido.O fim do voto secreto exigirá a aprovação de uma proposta de emenda constitucional, uma vez que está previsto na Constituição. Três propostas sobre o fim do voto secreto já tramitam na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Na Câmara, porém, já há uma PEC em tramitação mais avançada.Relatora do processo de cassação contra Renan no Conselho de Ética, a senadora Marisa Serrano (PSDB-MS) propôs também a elaboração de um projeto conjunto para acabar com sessões e votos secretos.CIDADANIA EM CHOQUENa Câmara, a Frente Parlamentar em Defesa do Voto Aberto vai retomar a mobilização pela votação da proposta de emenda constitucional que acaba com o voto secreto em tramitação. O deputado Ivan Valente (PSOL-SP), coordenador da Frente, disse que o resultado de quarta-feira "chocou a cidadania".A proposta de emenda constitucional foi aprovada na Câmara em primeiro turno, por unanimidade, em setembro do ano passado, mas nunca foi votada em segundo turno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.