Agnelo pretende pedir reforço de PF e Exército no DF

O candidato do PT ao governo do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, disse na madrugada de hoje que vai pedir a atuação da Polícia Federal e do Exército para garantir a segurança durante a eleição local. "Amanhã (hoje), eu vou pedir segurança e proteção, tropas, para ter segurança no pleito aqui", afirmou o petista, após participar de debate exibido pela Rede Globo. "Acho que eles (militantes da chapa encabeçada por Weslian Roriz, PSC) estão desesperados, partindo para a agressão."

CAROL PIRES E RAFAEL MORAES MOURA, Agência Estado

29 de setembro de 2010 | 09h56

Antes do início do debate, as imediações da TV Globo, no centro de Brasília, viraram cenário de empurra-empurra, troca de ofensas e agressões entre militantes de Roriz e do PT. Pelo menos cinco pessoas ficaram feridas, dentre elas dois cinegrafistas e um repórter fotográfico, que levaram pedradas dos populares. O Toyota Corolla que trazia o candidato do PV, Eduardo Brandão, teve o vidro traseiro quebrado ao entrar na emissora, mas ele não foi ferido.

O petista criticou a atuação do grupo, que classificou como "milícias". "Temos de condenar isso veementemente antes que aconteça uma tragédia na nossa cidade", afirmou o candidato. Agnelo Queiroz disse que no último final de semana foi intimidado, ao visitar uma feira em Sobradinho II, cidade-satélite do Distrito Federal. Segundo ele, a presença da Polícia Federal e do Exército vão "poder garantir a lisura e sobretudo a paz na eleição". Weslian Roriz, que assumiu a candidatura do marido, Joaquim Roriz, impedido pela lei da Ficha Limpa, saiu do debate sem falar com a imprensa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.