José Lucena/Futura Press
José Lucena/Futura Press

Agnaldo Timóteo é hostilizado em porta de prisão, ao visitar presidente do PR

Ao ser questionado sobre sua visita, cantor respondeu: 'Vim visitar uma fera que está aqui, é a melhor de todas'

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

02 Dezembro 2017 | 17h34

RIO - O cantor e ex-deputado federal Agnaldo Timóteo foi hostilizado por manifestantes na porta da prisão José Frederico Marques, em Benfica, na zona norte do Rio, neste sábado, 2. Ele foi até o local para visitar o presidente do PR (Partido da República) e ex-ministro dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues, que está preso na cadeia, quando foi interpelado por manifestantes do Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (Muspe).

+++ Tribunal Eleitoral solta Rosinha, com tornozeleira, mas mantém Garotinho preso

Os servidores, que estavam no local para protestar contra salários atrasados, vaiaram a chegada do cantor. O ouvir os gritos, Timóteo interrompeu o seu percurso, voltou-se para os manifestantes e perguntou: “o que houve?”. Os manifestantes responderam com gritos de “bandido”.

Ao ser questionado por um repórter da rádio CBN o motivo se sua visita, Timóteo respondeu: “Vim visitar uma fera que está aqui”. Depois de perguntado qual, ele disse: “é a melhor de todas, o meu ex-presidente, Antônio Carlos”.

+++ A decisão que mandou Garotinho e Rosinha para a cadeia

A visita do cantor, no entanto, foi frustrada por agentes da Secretaria de Administração Penitenciária (SEAP), pois ele não tinha a carteirinha necessária para visitas, fornecida previamente pelo órgão. Ele também não pode se valer de prerrogativa parlamentar, já que está sem mandato.

O cantor, que tem 81 anos, já foi deputado federal e vereador, com passagens pelo PDT, PP, PL, PR e PMDB.  Em agosto deste ano, Timóteo chegou a dizer para a imprensa que estava disposto a se filiar do PT, lançar-se como deputado federal e fazer campanha para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2018. “Eu quero brigar pelo Lula”, avisou.

Já Antônio Carlos Rodrigues foi preso no último dia 28, pela Operação Caixa D’Água, que prendeu também os ex-governadores do Rio, Anthony Garotinho e Rosinha. Ele é citado como suposto interlocutor do repasse da propina de R$ 3 milhões da Odebrecht para a campanha de Garotinho em 2014, mas nega as acusações.

+++ Presidente do PR se entrega à PF

Na quinta-feira, o ministro Jorge Mussi, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), decidiu aguardar o julgamento de mérito do habeas corpus de Rodrigues – marcado para o dia 4 de dezembro -, para depois examinar pedido da defesa do ex-ministro.

VISITAS

De acordo com a rádio CBN, o deputado federal Marco Antônio Cabral (PMDB-RJ) e o deputado estadual Rafael Picciani (PMDB), também estiveram na cadeia para visitar os pais, o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB) e o deputado estadual Jorge Picciani (PMDB). Os dois, porém, chegaram no local antes da manifestação organizada pelo Muspe.

Também está prevista para este sábado a saída de Benfica do empresário Jacob Barata Filho, conhecido por ser o "Rei do ônibus", liberado por decisão do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Mendes acolheu pedido de habeas corpus da defesa de Barata e revogou decretos de prisão preventiva que pesavam contra ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.