Agentes penitenciários mantêm greve

A greve dos cerca de 9 mil agentes penitenciários, de 21 penitenciárias do Estado de São Paulo, continua. Os agentes, que correspondem a 60% do total de 15 mil nas 74 penitenciárias do Estado, estão parados, desde a zero hora de hoje. Eles exigem melhores salários, mais segurança e plano de carreira. Os presos das unidades paradas não estão recebendo visitas de parentes, advogados ou religiosos. A entrega de comida, sabonetes, roupas e outros utensílios aos presos, o chamado "jumbo", também foi suspensa. Em parte dos 21 presídios em que há greve, apenas os procedimentos mínimos, como a alimentação e o banho de sol, estão sendo mantidos. Nos outros, os agentes penitenciários estão totalmente parados. A Secretaria da Administração Penitenciária informou, por meio da assessoria de imprensa, que a Polícia Militar reforçou a segurança nos 74 presídios de São Paulo. Até agora, segundo a assessoria, não houve registro de incidentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.