Imagem Dora Kramer
Colunista
Dora Kramer
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Agendas postiças

O ritmo acelerado que a gestão Eduardo Cunha imprime às votações na Câmara tem consistência parecida com a persona oposicionista recentemente assumida pelo presidente do Senado, Renan Calheiros, em suas defesas de projetos ditos moralizantes.

Dora Kramer, O Estado de S. Paulo

03 de junho de 2015 | 05h00

Em matéria de artificialismo, os movimentos de ambos guardam semelhança com a decisão da presidente Dilma Rousseff de considerar o ajuste fiscal “página virada” nem bem as medidas entraram em vigor, e o início de uma agenda positiva que inclui fotografias em passeios de bicicleta ao redor do Palácio da Alvorada com o intuito de, segundo seus assessores, conferir à figura presidencial caráter “mais humano”.

Como não se tem notícia da pesquisa em que se baseou o Planalto para chegar à conclusão de que Dilma parece aos olhos do brasileiro um ser de outro planeta, resta-nos aguardar detalhes da estratégia antes de avaliar a chance de êxito nos resultados. 

A respeito da agenda positiva, trata-se do mesmo de sempre: dar por encerrado um tema desagradável de maneira unilateral e inventar uma série de outros a fim de mudar de assunto e tentar mudar o humor do público. 

Aqui é possível dizer com certeza: não há chance de dar certo. Pelo simples fato de que o sucesso da agenda depende dos fatos. E, estes, objetivamente, não se expressam no lançamento de novos planos de financiamento para a agricultura familiar, em mais uma etapa do programa Minha Casa, Minha Vida ou aumento de impostos para instituições financeiras. 

Essas coisas estão distantes do dia a dia da população. Próximos estão problemas como o desemprego, o endividamento, a queda na renda, o aumento de preços, a roubalheira desenfreada. Isso é o que faz a presidente Dilma Rousseff não poder sair nem falar em público.

E, segundo avaliações de seus auxiliares feitas longe dos comunicados oficiais, a expectativa é a de que não poderá fazê-lo tão cedo. E o que seria por eles considerado “cedo”? Até pelo menos que a economia desse algum sinal “mesmo que medíocre” de recuperação. Algo que não se espera antes do fim do ano. 

Portanto, saibam a senhora e o senhor que nem o Palácio do Planalto acredita na eficácia real da agenda positiva. Ou melhor, da agenda postiça. 

Tão afetada e carente de substância quanto a espetaculosa pauta do Congresso sob o comando de um PMDB reinventado de valente agora que o governo está nas cordas – não por obra do partido nem da oposição, mas por ação da entrada em cena dos protestos populares. 

Sim, a Câmara começou a votar a reforma política, mas não votou nada que prestasse nem discutiu coisa alguma que alterasse ou melhorasse a relação entre eleitores e eleitos. Renan Calheiros e Eduardo Cunha fazem barulho, demonstram poder, pressionam o Executivo, mas na hora do vamos ver – como as votações das medidas do ajuste – basta dar uma volta no Congresso para perceber que o debate de fundo ainda é sustentado no fisiologismo.

Os dois vão e voltam e a caravana do governo passa. No que interessa, o Planalto ganha. Não com a facilidade de antes, quando a popularidade era farta, mas ganha porque o sistema é presidencialista, e não parlamentarista, como parece querer fazer crer o espetáculo do fingimento proporcionado pela gritaria algo inconsistente.

De concreto o que se tem é a aprovação de um “contrabando” embutido em medida provisória autorizando a construção de um shopping no Parlamento. De resto, a cada hora é uma invencionice ao molde de factoide. 

A última diz respeito à transferência do controle da escolha de dirigentes das estatais e bancos públicos ao Congresso. A justificativa, “abrir a caixa-preta das estatais”, melhorar a transparência e governança das empresas.

Para isso, suas excelências dispõem das comissões permanentes de fiscalização e controle. Basta fazê-las funcionar com eficácia, seriedade, lisura e independência. 

Tudo o que sabemos sobre:
Dora Kramer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.