AGENDA POLÍTICA-Lula vai a Cuba e chama Lobão para ministério

Na próxima semana, o presidente LuizInácio Lula da Silva estará em Cuba e na Guatemala, enquantotem continuidade no Brasil a discussão sobre cortes noOrçamento para compensar o fim da CPMF. Na viagem a Cuba, onde permanece entre a segunda-feira ànoite e terça-feira, é muito provável que Lula visite o líderFidel Castro --o encontro só depende de aval médico, uma vezque o cubano está afastado do poder há um ano e meio, após sersubmetido a uma cirurgia no intestino. Seu estado de saúde émantido em sigilo pelas autoridades. Está programada uma entrevista de Lula no programa MesaRedonda, da TV estatal cubana, que vai ao ar na terça-feira emtorno das 18h, como informou uma fonte do Itamaraty. No encontro com Raúl Castro, que substitui Fidel no comandodo país, Lula assinará acordos de cooperação, sendo o principalaquele que envolve investimentos da Petrobras. A validação dosdiplomas cubanos de medicina pelo Brasil também fará parte dosacertos e, como na primeira viagem como presidente em 2003,Lula encontrará os estudantes para comunicar o acordo. Na Guatemala, Lula participa na segunda-feira da cerimôniade posse do presidente da Guatemala, Álvaro Colón. CORTES Com o término da CPMF, além de aumentar o IOF (Impostosobre Operações Financeiras) e a CSLL (Contribuição Socialsobre o Lucro Líquido), o governo necessita reduzir gastos einvestimentos em um valor estimado em 20 bilhões de reais nesteano. A receita da contribuição estava prevista em 38 bilhões dereais. Além de cortes na máquina estatal, emendas dosparlamentares ao Orçamento também entrarão nesta conta. Ospartidos aliados se mostraram dispostos a aceitar uma reduçãode 50 por cento nos recursos para as emendas de bancadas, o querepresentaria um corte de cerca de 6 bilhões de reais. Emendasde comissões poderão ser cortadas em 2 bilhões de reais. Também deve se estender no Congresso a repercussão dapossível recriação da CPMF pelos partidos aliados ao governo,com receitas voltadas exclusivamente para a saúde. LOBÃO Assim que retornar da viagem, Lula deve convidarformalmente o senador Edison Lobão (PMDB-MA), afilhado políticodo ex-presidente José Sarney (PMDB-AP), para assumir oministério de Minas e Energia. A pasta é comandada interinamente por Nelson Hubner desdemaio do ano passado, depois da saída de Silas Rondeau (PMDB)por suspeita de envolvimento na Operação Navalha, escândalo decorrupção envolvendo a construtora Gautama. (Reportagem de Carmen Munari; Edição de Mair Pena Neto)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.