Agenda do prefeito é negada por assessoria de primeiro-ministro

Programa de Doria previa almoço com Édouard Philippe, mas gabinete do francês diz que ele não estava nem em Paris

Andrei Netto, correspondente, e Pedro Venceslau, enviado especial, O Estado de S.Paulo

04 Setembro 2017 | 05h00

Na rápida passagem de João Doria por Paris, a agenda oficial do prefeito anunciou que ele teria um almoço reservado no sábado com o primeiro-ministro francês, Édouard Philippe, que não estava na cidade. A informação sobre o encontro bilateral foi enviada aos jornalistas brasileiros antes de chegada de Doria na cidade e confirmada na noite de sexta-feira, mas em nenhum momento constou da agenda oficial do líder francês.

Ao Estado, a direção de comunicação do primeiro-ministro informou que Philippe já tinha agendado previamente uma viagem a cidade de La Havre, no interior da França, e que o encontro nem sequer chegou a ser programado.

Segundo a assessoria de Doria, o que houve foi um desencontro. O almoço entre o prefeito e o primeiro-ministro teria sido articulado por canais não oficiais e adiado em cima da hora.

O interlocutor entre as duas partes foi o economista Jaques Attali. Considerado o ideólogo do presidente Emannuel Macron, Attali tem bom trânsito no primeiro escalão da política francesa. Ele foi o organizador do Global Positive Fórum, evento que reuniu líderes de vários países em Paris no fim semana. Doria foi o único político latino-americano presente.

Attali disse que a próxima edição do evento, em 2019, será em São Paulo. O economista promoveu uma rápida conversa entre o prefeito de São Paulo e Macron durante um coquetel na sede do governo francês após o encerramento do Fórum. Doria e o presidente conversaram rapidamente.

Em um vídeo gravado pela assessoria do prefeito e publicado nas redes sociais, apenas tucano falou, em francês. Segundo Doria, durante a conversa, Macron “prontamente” aceitou participar da próxima edição do Global Positive Fórum no Brasil. 

Mais conteúdo sobre:
João Doria Paris [França]

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.