Agenda de pré-candidato de Haddad começa em fevereiro

A maratona oficial do ministro da Educação, Fernando Haddad, como pré-candidato do PT à prefeitura de São Paulo deve começar em fevereiro. De acordo com o vereador Antônio Donato, presidente do Diretório Municipal do PT, a agenda do petista é um dos focos da segunda reunião do Conselho Político do partido, que acontece hoje. "Ainda não tem data para a saída de Haddad do Ministério da Educação. Vamos fazer uma estrutura a partir de fevereiro", reforçou ele, em entrevista à Agência Estado.

ALINE BRONZATI, Agência Estado

17 de dezembro de 2011 | 10h54

Haddad já anunciou que trabalha com o mês de janeiro, mas sua saída está subordinada à decisão da presidente Dilma Rousseff. Embora setores do PT almejassem a retirada de Haddad do Ministério para se candidatar à campanha, ele acatou o pedido da presidente para permanecer no cargo, postergando a difícil reforma ministerial para 2012.

Segundo Donato, que será o responsável pela agenda do ministro, também serão discutidas na segunda reunião as estratégias de construção do programa de governo do Haddad. "Estamos formatando isso e a partir de janeiro e fevereiro iniciaremos um processo de discussão com a sociedade sobre os desafios e mudanças necessárias", observou.

Sobre a composição do Conselho Político do PT, ele disse que não há uma estrutura "engessada". São 28 integrantes no total, dos quais 22 estão presentes na reunião. Recentemente, foram convidados por Haddad para integrar o grupo o vereador Carlos Neder, o deputado federal Arlindo Chinaglia, e o prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho.

Novamente, a senadora Marta Suplicy não compareceu ao encontro. O deputado federal Ricardo Berzoini foi um dos primeiros a chegar ao local da reunião. O senador Eduardo Suplicy também está presente.

Expectativas

Na opinião de Donato, a última pesquisa do DataFolha, que apontou entre 3% e 4% as intenções de voto do pré-candidato do PT, reforça a convicção do partido que há espaço para fazer uma "excelente campanha", "estar bem" no segundo turno e "ganhar a eleição". "Ainda temos um ano inteiro pela frente e muita coisa pode acontecer, mas as condições gerais de avaliação do governo Dilma, da influência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da péssima avaliação do governo Kassab são fatores estruturais que nos dão esperança de ir bem no processo eleitoral", avaliou.

Donato destacou que a mudança nesta eleição é o Haddad, uma vez que não existe outra candidatura que esteja no campo de oposição ao prefeito Gilberto Kassab. "O Netinho de Paula, do PC do B, está no governo, o PMDB, o Russomanno, o PSDB, entre outros, também. Eles terão dificuldade de criticar o governo Kassab e apresentar alternativas para São Paulo", lembrou.

Sobre possíveis alianças, o presidente do Diretório Municipal do PT disse que o partido manterá conversas com todos os governos e que há negociações adiantadas com o PR.

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçãoprefeituraHaddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.