Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Congresso Nacional e STF voltam das férias com agenda quente

Com o fim do recesso, o Legislativo vai debater enchentes, salário mínimo e mais de 30 Medidas Provisórias carentes de análise; Judiciário tem na pauta ação sobre federações e Lei da Ficha Limpa

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2022 | 09h08
Atualizado 31 de janeiro de 2022 | 11h27

O Congresso Nacional retoma os trabalhos legislativos nesta quarta-feira, 2, após o recesso iniciado antes do Natal. No retorno das atividades, 32 medidas provisórias aguardam análise dos parlamentares na Câmara e no Senado. Os temas são diversos e incluem ações de enfrentamento às enchentes de fim de ano, propostas para saúde e educação e validação do salário mínimo. Também volta a operar nesta semana o Judiciário, que tem na pauta do Supremo Tribunal Federal uma ação do PDT sobre a Lei da Ficha Limpa, entre outras.

Outro tema relevante que terá impacto no pleito de outubro é a definição das federações, que prevê a união de partidos por um período mínimo de quatro anos e impõe a aliança em todas as disputas. O Supremo julgará ação do PTB contestando a liberação de federações e deve se pronunciar também sobre o prazo limite para a formalização dessas alianças, provocado pelo PT. Além de acionar o STF, os petistas se aliaram a PSB, PV e PC do B para pedir ao Tribunal Superior Elteioral (TSE) a mesma prorrogação da data limite. Entre as siglas interessadas em construir federações, PSDB e Cidadania têm negociações mais avançadas, como mostrou o Estadão.  

Do total de Medidas Provisórias aguardando análise no Congresso, 16 foram publicadas durante o recesso. Outras serão votadas porque estão em regime de urgência, uma delas trancando a pauta de votações no Senado, ou por estarem próximas do prazo em que perdem a vigência.

Confira as principais votações do Congresso e do Judiciário na volta do recesso:

Congresso

  • Enfrentamento às enchentes

Os parlamentares vão analisar duas medidas provisórias editadas em janeiro e que abriram crédito extraordinário para corrigir os danos causados pelas chuvas que atingiram diversas regiões do País. Segundo informações do Congresso, parte da verba também será destinada para apoio aos Estados da Região Sul, afetados com forte estiagem.

  • Salário mínimo

Também nesta semana os congressistas vão analisar a MP 1091/21, que fixou o valor do salário mínimo de 2022 em R$ 1.212 mensais. Assinada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) em dezembro do ano passado, a medida precisa ser validada pelo Congresso para continuar valendo após o fim de sua vigência, que expira em abril. 

  • Vacinas

Também está na pauta a MP 1081/21, que autoriza o Poder Executivo  a doar imunizantes contra a covid para outros países, por intermédio do Ministério da Saúde, em caráter de cooperação humanitária internacional. A medida prevê que as doações sejam efetivadas por termo firmado entre os governos federais dos dois países. As despesas decorrentes do transporte das vacinas serão bancadas pelo destinatário da doação ou por dotações orçamentárias do Poder Executivo federal.

  • Prouni

O Congresso analisa esta semana a MP 1075/21, que permite o acesso de estudantes de escolas particulares ao Programa Universidade para Todos (Prouni). Se aprovada pelos parlamentares, o programa deixará de ser exclusivo para alunos de escolas públicas ou de escolas privadas com bolsa integral e passará a incluir quem estuda em escola particular sem bolsa.

Judiciário

  • Ficha Limpa

Na volta dos trabalhos, o Supremo Tribunal Federal (STF) se debruça novamente sobre uma ação movida pelo PDT que questiona o prazo pelo qual um candidato é considerado inelegível pela Lei da Ficha Limpa. O julgamento foi suspenso em setembro do ano passado após pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes. Até então, só o relator, o ministro Nunes Marques, havia depositado seu voto. 

A Corte também vai prosseguir com a análise da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) das Favelas, que trata de correções nas políticas de segurança pública do Rio de Janeiro e prevê a criação de um plano de redução da letalidade policial no Estado. A análise da arguição é esperada com expectativa por movimentos sociais em prol da população que vive nas favelas, que defendem mudanças nas táticas de operações policiais nessas localidades.

  • Federações

Esta semana, o tribunal deve julgar uma ação movida pelo PTB que questiona a legalidade das federações. A relatoria do caso é do ministro Luís Roberto Barroso. Foi ele quem determinou, no ano passado, em decisão provisória, que a lei que permite a união entre os partidos é válida. O PTB argumenta que o dispositivo burla a vedação às coligações nas eleições proporcionais. Ação do PT pedindo a prorrogação do prazo para formalizar eventuais federações também será analisada.

Já o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vai analisar petição do PT, ao lado de outros partidos de esquerda (PSB, PV e PC do B),  também solicitando mais tempo para fechar as negociações. As siglas querem adiar a data limite de início de março para início de agosto. A federação é a aposta de partidos menores para sobreviver à cláusula de desempenho; as legendas precisam superar um número mínimo de votos e representantes eleitos para ter acesso ao fundo partidário e tempo de propaganda no rádio e na TV.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.