José Dias/PR
José Dias/PR

Bolsonaro convida príncipe saudita acusado de assassinato para agenda em março

Convite de Jair Bolsonaro a Mohamed bin Salman, príncipe herdeiro da Arábia Saudita, ocorre dias após uma criticada agenda internacional com Vladimir Putin, na Rússia, e Viktor Orbán, na Hungria

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de fevereiro de 2022 | 08h05

O presidente Jair Bolsonaro (PL) convidou o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohamed bin Salman, para visitar o Brasil em março. O monarca, com quem o chefe do Executivo diz ter “certa afinidade”, governa um regime ultraconservador baseado no islamismo e é apontado como suspeito do assassinato de um jornalista dissidente no país. 

Bolsonaro já se encontrou com o saudita em outras ocasiões. Segundo o presidente, a boa relação entre eles começou em junho de 2019, durante encontro do G-20 (grupo das vinte maiores economias do mundo) no Japão. Meses depois, em outubro daquele ano, o mandatário brasileiro viajou ao Oriente Médio e descreveu um encontro com o príncipe como “muito bom e descontraído”. 

No mesmo dia, Bolsonaro disse a jornalistas que “todo o mundo gostaria de passar a tarde com um príncipe, especialmente as mulheres”. “Tenho uma certa afinidade com o príncipe. Em especial depois do encontro em Osaka”, completou ele, naquela ocasião. A vinda de Mohamed ao Brasil em março foi revelada pelo blog de Natuza Nery no portal G1

Bin Salman foi apontado por integrantes do Conselho de Direitos Humanos da ONU como suspeito de ordenar o assassinato do jornalista dissidente Jamal Khashoggi, visto pela última vez com vida em outubro de 2018. Khashoggi era colunista do Washington Post e sua morte gerou grande repercussão global. O episódio levou o príncipe a ser denunciado por crime contra a humanidade pela ONG Repórteres Sem Fronteiras.

Bolsonaro tem se aproximado de líderes considerados controversos. Na semana passada, o chefe do Executivo se encontrou com o presidente Vladimir Putin, da Rússia, e com o premiê ultradireitista da Hungria, Viktor Orbán. A viagem foi criticada por ocorrer no momento em que a comunidade internacional acompanha com preocupação a tensão crescente naquela região. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.