Agenda apreendida pela PF pode piorar situação de Jader

Uma agenda apreendida em abril pela Polícia Federal comprova que o deputado estadual Mário Frota (PDT-AM) e o empresário David Benayon estiveram em Brasília em 14 de janeiro de 1998. Nesta data, teria sido negociado com o presidente licenciado do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), o pagamento de propina para a liberação de recursos da extinta Sudam. A agenda, com o registro da viagem, pertence ao contador Geraldo Pinto da Silva, que prestava assessoria na preparação de projetos. Segundo gravação de conversa entre Frota e Benayon divulgada pela revista "IstoÉ", Jader teria exigido US$ 5 milhões para ajudar na liberação de recursos da Sudam para dois projetos do empresário. O procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, deverá apresentar esta semana ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedido de abertura de processo criminal contra Jader. A acusação é de desvio de recursos do Banco do Estado do Pará (Banpará), nos anos 80, quando o senador governou o Estado. Ainda esta semana, o ministro Ilmar Galvão deverá determinar a quebra do sigilo bancário, fiscal e telefônico de Jader, da ex-mulher e deputada Elcione Barbalho (PMDB-PA), e do pai, Laércio Barbalho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.