Agência é campeã de gastos com cartão

Cerca de 13,5% do gasto do governo nessa modalidade foi feito pela Abin

Marcelo de Moraes, O Estadao de S.Paulo

02 de setembro de 2008 | 00h00

Suspeita de ter participação nas escutas ilegais feitas nos telefones do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) é campeã de gastos secretos e saques em dinheiro com cartão corporativo. Segundo dados atualizados ontem pelo Portal da Transparência, a Abin sozinha pagou em 2008 cerca de 13,5% de todas as despesas do cartão.Este ano, até o fim de julho, a agência já tinha usado seus cartões num total de R$ 3.695.702,77, gasto superior ao da Secretaria da Presidência da República - R$ 3.052.800,58. Parte de sua prestação de contas, aliás, foi considerada irregular pelo Tribunal de Contas da União (TCU), há duas semanas. A Abin foi censurada por usar dinheiro vivo, sacado com cartões, para pagar 99,9% das despesas. Entre os problemas detectados estava a "aquisição irregular de material permanente e pagamentos e gratificações a informantes e colaboradores eventuais".Nos últimos anos, as despesas feitas pela Abin com cartões só têm aumentado. Em 2002, foram de R$ 1,7 milhão. No ano seguinte, R$ 1,9 milhão. Em 2004, R$ 2,2 milhões. Em 2005, chegaram a R$ 5,2 milhões e, no ano seguinte, a R$ 5,5 milhões. A despesa mais que dobrou em 2007, alcançando cerca de R$ 11,5 milhões. A agência justificou esse salto com as atividades especiais por causa da organização dos Jogos Pan-Americanos do Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.