Agaciel Maia, protagonista dos atos secretos, é candidato a deputado no DF

Ex-diretor-geral do Senado foi exonerado em março de 2009 sob acusação de ocultar da Justiça um imóvel avaliado em R$ 4 mi

Carol Pires, do estadão.com.br

06 Julho 2010 | 12h42

BRASÍLIA - Protagonista do escândalo dos "atos secretos" no Senado, o ex-diretor-geral da Casa, Agaciel Maia, é um dos candidatos registrados, na última segunda-feira, 5, para concorrer a uma das 24 vagas na Câmara Legislativa do Distrito Federal. Maia foi inscrito pelo PTC.

 

Nomeado diretor do Senado na primeira das três vezes em que o senador José Sarney (PMDB-AP) presidiu a Casa, Agaciel Maia ficou no cargo por 14 anos, até ser exonerado, em março de 2009, sob acusação de ocultar da Justiça um imóvel avaliado em R$ 4 milhões. Desde então, está lotado no Instituto Legislativo Brasileiro, órgão ligado ao Senado.

 

Os atos secretos eram editatos para nomear aliados políticos de senadores, aumentar rendimentos de servidores e criar cargos. Agaciel Maia respondeu processo administrativo no Senado pela acusação de ser responsável pela ocultação dos atos, mas só foi condenado a ficar 90 dias afastado do serviço. Ele nega ter cometido qualquer irregularidade no tempo em que comandou a administração do Senado. O caso também é investigado pelo Ministério Público

 

Agaciel Maia pretendia, inicialmente, concorrer a deputado federal. Mas, segundo o presidente do PTC em Brasília, Divino Osmar Nascimento, o partido não conseguiu coligação para a eleição federal e, por isto, não conseguiria votos suficientes para elegê-lo. Na eleição para distrital, o PTC se coligou com o PRP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.