DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Wassef deixará defesa de Flávio Bolsonaro no caso Queiroz

Em entrevista à CNN, advogado diz que não pode responder sobre motivo para hospedagem do ex-assessor em sua casa em Atibaia

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2020 | 20h45

SÃO PAULO – O advogado do senador Flávio Bolsonaro, Frederick Wassef, declarou neste domingo, 21, que resolveu deixar de defender o filho do presidente no caso que apura suposto esquema de "rachadinha" na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), em entrevista à emissora CNN. A saída de Wassef do caso foi confirmada pelo senador em sua conta oficial do Twitter. Ele deixa o caso após o ex-assessor Fabrício Queiroz, que trabalhou no gabinete de Flávio na Alerj, ser preso na casa de Wassef em Atibaia, no interior paulista.

A razão da desistência, afirmou Wasseff, é que há uma estratégia para atingir sua pessoa e, assim, chegar ao presidente. "Sim, sou advogado do presidente Jair Bolsonaro", disse na entrevista à CNN, ressaltando que a relação entre os dois é "única e exclusivamente de natureza jurídica". 

"Por decisão dele e contra a minha vontade, acreditando que está sendo usado para prejudicar a mim e ao Presidente Bolsonaro, deixa a causa mesmo ciente de que nada fez de errado", escreveu Flávio Bolsonaro na rede social. "A lealdade e a competência do advogado Frederick Wassef são ímpares e insubstituíveis."

Wassef contou que ligou hoje para Flávio Bolsonaro para falar de sua saída do caso e, apesar de o senador relutar e pedir para que ele continue, resolveu mesmo deixar e amanhã será anunciado um novo advogado. "Fiz um telefonema ao senador e disse que estou sendo usado pelos inimigos da pátria, os inimigos do Brasil. Estão fazendo um massacre midiático contra minha pessoa para atingir o presidente."

"Sem dúvida existe um estratégia de todos onde resolveram destruir minha imagem e minha reputação. apontar os canhões para mim, porque hoje eles entendem que bater em mim é atingir o presidente."

Wassef negou que exista um movimento dentro do Planalto para, após a prisão de Queiróz em sua casa, desvinculá-lo da imagem de Jair Bolsonaro. 

Advogado deixou de responder perguntas

Durante sua entrevista à CNN neste domingo, Wassef disse que, por sigilo profissional não poderia responder sobre o motivo pelo qual o assessor estava em sua casa, em Atibaia, no momento em que foi preso. Ele deu a entender que a hospedagem está relacionada a um tratamento de saúde que Queiroz fez em Bragança Paulista, cidade vizinha a Atibaia. 

"Fazia pouquíssimos dias que Queiroz estava na localidade", afirmou o advogado, ressaltando que não poderia dar maiores informações por causa do caso em andamento.

Wassef afirmou que Queiroz estava no Rio de Janeiro nos dias que anteceram a prisão e que, na última quinta-feira, 21, não sabia que o ex-assessor estava na sua casa em Atibaia. O advogado também afirmou que não se comunica com o ex-assessor, apesar de ter feito afirmações sobre seu paradeiro nos últimos meses. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.