Afirmação de ACM não condiz com realidade, diz Jucá

O líder interino do governo no Senado, Romero Jucá (PSDB-RR), disse há pouco à Agência Estado que as insinuações do senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), de que o governo federal poderia estar por trás do escândalo do painel eletrônico do Senado, não condizem com a realidade. ACM disse hoje que acha estranho que as denúncias contra ele tenham aparecido no momento em que faz "uma campanha violenta contra o governo" e que o presidente Fernando Henrique Cardoso quer fragilizar o Congresso para ficar mais forte. "Entendo que o senador Antonio Carlos esteja passando por um momento delicado, mas não é verdade o que ele está dizendo", respondeu Jucá, argumentando que o presidente já declarou que a violação do painel é um problema do Senado e que tem que ser resolvido pelos próprios senadores. "O presidente não vai interferir nesse processo", assegurou o líder interino. O senador Geraldo Melo (PSDB-RN), apontado como um dos possíveis substitutos do senador José Roberto Arruda (PSDB-DF) - licenciado do cargo de líder do governo por causa das acusações de envolvimento na violação do painel -, disse que, caso houvesse algum interesse do governo nesse caso, os senadores tucanos teriam recebido algum sinal do Palácio do Planalto. "O que estou sentindo é a falta de sinal; até agora não recebi uma palavra sequer de alguém do governo sugerindo que se faça ou deixe de fazer isso ou aquilo", sustentou Melo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.