Afif diz que comissão não tem competência para julgá-lo

O vice-governador de São Paulo e ministro da secretaria da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos (PSD) afirmou nesta quarta-feira que a Comissão de Ética do Estado de São Paulo "não tem competência" para julgá-lo. Nesta quarta-feira, três dos cinco integrantes da Comissão de Ética do Estado de São Paulo votaram pela "inconveniência e impossibilidade", "tanto do ponto de vista jurídico quanto do ponto de vista ético" de Afif acumular os dois cargos.

FERNANDO GALLO, Agência Estado

05 Junho 2013 | 18h17

O relator do caso, Eduardo Muylaert, foi acompanhado pelos integrantes José Geraldo de Brito Filomeno e Odete Medauar. A questão ainda não foi finalizada porque o integrante Kazuo Watanabe pediu vista do processo.

O parecer da comissão deverá ser encaminhado para a Assembleia Legislativa, que avalia a possibilidade de perda do mandato de Afif.

No documento publicado nesta quarta, Muylaert anotou: "não só do ponto de vista jurídico, mas especialmente do ponto de vista da ética pública, a conclusão que a meu ver se impõe é a de que a acumulação de funções de vice-governador de um Estado da federação com a de Ministro de Estado é indevida e altamente inconveniente".

Afif questionou a "inconveniência" apontada pela comissão e disse não ter sido eleito "para a conveniência de uns poucos".

"A Comissão Geral de Ética, como órgão subordinado ao governador do Estado, não tem competência para julgar o governador ou o vice-governador. Constata-se que nos votos até agora proferidos não ousaram dizer que há ilegalidade ou inconstitucionalidade no fato de o Vice-Governador exercer cargo de Ministro", sustentou, em nota.

Afif anotou ainda: "no cargo público para o qual fui eleito e no cargo de Ministro eu trabalho para o Brasil e não para a conveniência de uns poucos".

Mais conteúdo sobre:
Afif cargos defesa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.