Afastada pelo TRE, Rosalba Ciarlini despacha na residência oficial

Governadora do Rio Grande do Norte afirma que acórdão da Justiça Eleitoral ainda não foi publicada no Diário Oficial; defesa vai recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral

Anna Ruth Dantas, , Especial para Agência Estado

11 Dezembro 2013 | 18h49

Natal - No dia seguinte à decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte, que determinou o afastamento do cargo de governadora, Rosalba Ciarlini (DEM) optou por despachar na residência oficial, no bairro do Tirol, em Natal, onde recebeu aliados políticos e auxiliares.

Nesta quarta-feira, o advogado Felipe Cortez, que defende Rosalba, viajou para Brasília, onde entrará com uma ação cautelar no Tribunal Superior Eleitoral para tentar suspender os efeitos da decisão do TRE potiguar.

O advogado explicou que o recurso só poderá ser impetrado após a publicação do acórdão do TRE no Diário da Justiça Eletrônico, o que deverá ocorrer ainda nesta semana.

Na Assembleia Legislativa do Estado, deputados governistas e oposicionistas foram cautelosos ao avaliarem a decisão do TRE, mas admitiram que o afastamento da governadora Rosalba muda o quadro sucessório para o próximo ano.

O presidente da Casa, deputado Ricardo Motta (PROS), a quem caberá dar posse ao vice-governador Robinson Faria (PSD) por determinação do TRE, afirmou que não tomará qualquer posição até a publicação do acórdão. "A posição que o TRE tomou precisa ser cumprida. Cabe a Assembleia apenas cumprir as determinações judiciais", comentou.

Líder do Governo na Assembleia, o deputado estadual Getúlio Rego (DEM), disse que não discute a decisão, mas aguarda a definição do TSE. "Do ponto de vista técnico não tenho subsídio para avaliar a repercussão disso. Mas acho que se trata de uma decisão extremada porque a governadora participou da campanha da prefeita Claudia Regina (de Mossoró, na campanha da qual Rosalba foi acusada de abuso de poder econômico) de forma legítima", ressaltou Getúlio Rego.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.