Aeroporto vai ter museu sobre Tom Jobim

Dez anos após a morte do compositor Tom Jobim, o Aeroporto Internacional do Rio, que leva seu nome, resolveu homenageá-lo com uma exposição permanente. Um museu com fotos, vídeos e textos sobre Tom será montado no local. Uma exposição de 14 painéis vai marcar, no domingo, o anúncio da criação do Espaço Antônio Carlos Jobim. Mas os fãs de Tom terão de esperar até dezembro, quando o local será inaugurado, para ver o resto do material. São fotos do maestro com a família e amigos, vídeos de festivais e canções. O espaço terá 250 metros quadrados no mezanino do Terminal 2 de passageiros. A idéia de criar o museu partiu do jornalista e pesquisador Ricardo Cravo Albim, inconformado com a falta de referência a Tom no aeroporto. "Só tem uma plaquinha com o nome dele", disse. O material do espaço virá do Instituto Antônio Carlos Jobim, criado por Paulo Jobim, filho de Tom. "Vai ficar muito bonito", afirmou Paulo. "Faltava essa justa homenagem", disse Vanda Klabin, que catalogou o acervo do instituto e ajuda na curadoria do museu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.