Aeronáutica está no comando e caos não se repetirá, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva aproveitou uma rápida conversa com jornalistas para fazer um balanço dos problemas do setor que ocorrem desde o ano passado e disse ter hoje um diagnóstico correto da situação. "A Aeronáutica está com responsabilidade de não permitir que aconteça mais isso. Obviamente que pode acontecer um ou outro atraso. Ontem, por exemplo, teve uma chuva muito forte em São Paulo e hoje caiu um pequeno avião (da Força Aérea Brasileira) em Roraima", avaliou.O presidente disse que não é possível que os controladores não tenham a sensibilidade ao ver milhares de pessoas passando a noite nos aeroportos por causa de problemas específicos da categoria. "Nada justifica que terceiros paguem a conta", disse.Lula ressaltou que na história do Brasil ele tem sido o presidente mais flexível para conversar e negociar. A uma pergunta sobre a decisão dele de suspender a ordem de prisão aos controladores na última sexta-feira, respondeu: "não se trata de mandar prender ou soltar. Não precisamos prender as pessoas. O que precisamos é dialogar. Agora as pessoas precisam saber que a negociação tem que ser feita de forma mais madura e mais consciente possível", afirmou. E continuou: "Estou sempre disposto a conversar com sindicatos, adversários políticos e aliados. As pessoas precisam aprender que o respeito às instituições é fundamental para o sucesso da democracia."Lula relatou que estava dentro do avião presidencial em trânsito para a Washington quando recebeu a notícia da paralisação dos controladores. Ele informou que designou o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, para a função específica de dizer: "é preciso voltar a trabalhar, estamos dispostos a negociar".O presidente disse que os protestos podem ser feitos desde que não prejudiquem a população. "A vítima do protesto não pode ser o povo. Eu disse isso quando teve greve de ônibus, dos professores e dos médicos e digo quando tem greve de controladores". Ministro ficaLula também aproveitou a ocasião para dizer que não vai substituir o ministro da Defesa, Waldir Pires. "Não tem troca de ministro. A reforma ministerial acabou". A substituição de Pires vinha sendo cogitada desde a greve dos controladores de vôo, na última sexta-feira. O ministro está fragilizado devido às sucessivas crises no setor aéreo. Mas Lula foi enfático sobre a permanência dele na Defesa, pelo menos por enquanto. "Ministro sou eu que ponho, sou eu que tiro. Se algum dia tiver que tirá-lo, tirarei. Por enquanto, não é esta questão", afirmou.Sobre a punição dos controladores que se amotinaram na última sexta-feira, o presidente observou que o Ministério Público Militar entrou com um pedido de Inquérito Policial Militar (IPM). "Vamos aguardar a apuração. O governo não vai punir ninguém e não vai punir mesmo. Até porque longe de mim de punir alguém", sem fazer referências ao pedido de anistia apresentado pelos controladores de vôo em negociação com o governo na última sexta-feira, dia do motim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.