Aécio volta a descartar chapa puro-sangue no PSDB

Governador mineiro diz que apoio a Serra, se este for o candidato, ''independe de qualquer posição na chapa''

Daniele Carvalho, O Estadao de S.Paulo

17 de abril de 2009 | 00h00

O governador de Minas, Aécio Neves, voltou a descartar ontem a possibilidade de integrar a chapa do PSDB nas eleições presidenciais de 2010 como vice. Ele justificou sua posição com o fato de que, independentemente do nome aprovado para concorrer à Presidência, o ideal seria que o PSDB fizesse uma composição com aliados. "Nem sequer cogito essa possibilidade (de ser vice). Até porque acho que isso não é necessário. Meu apoio ao José Serra, se ele vier a ser o candidato do meu partido, independe de qualquer posição na chapa. Acho, inclusive, que num quadro partidário tão plural quanto é o brasileiro - em que nós devemos buscar novas alianças, novos parceiros para governar - seria uma certa presunção do PSDB achar que solitariamente deva compor uma chapa", disse Aécio, que participou o Fórum Econômico Mundial na América Latina, realizado ontem no Rio. No rol de aliados, o governador citou o DEM, o PPS e o PMDB, que hoje integra a base do governo Lula. "Os partidos que hoje apoiam o governo não farão, necessariamente, uma transferência de apoio para 2010. Acredito que ocorrerão mudanças, até mesmo por conta de importantes alianças estaduais que estão sendo formadas", avaliou. O tucano minimizou o impasse entre ele e Serra, em relação à data para a realização das prévias que escolherão o candidato do partido para 2010. "Tivemos, num determinado momento, opiniões distintas, não divergentes. Houve algumas diferenças em relação a datas, mas não uma oposição. Acho que, no fim do ano, entre novembro e dezembro, seria o melhor momento. Mas, se for no início do ano que vem, não tem problema."DATAAécio afirmou, ainda, que deve se reunir com Serra e outros líderes do partido nas próximas semanas para definir a melhor data para a prévia, que, segundo ele, "também ajudará a se fortalecer e refundar o partido". Questionado sobre o apoio de Lula à candidatura da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, Aécio afirmou que "é legítimo que o presidente apoie um candidato". Ele disse, ainda, que a presença de Dilma na disputa "garantirá uma campanha de alto nível". A Executiva Nacional do PSDB deverá se reunir na próxima semana para formatar as regras das prévias. A comissão analisará as propostas enviadas pelos tucanos. Até agora, os mineiros foram os que mais mandaram sugestões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.