Aécio volta a defender pacto federativo sobre tributações

O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), voltou a defender nesta sexta-feira um novo pacto federativo com a desconcentração das receitas nas mãos da União. Segundo Aécio, isso permitirá que o governo federal "gaste melhor". "No momento em que transfere não apenas recursos, (mas também) responsabilidades para os Estados e os municípios, o dinheiro público é melhor gasto", argumentou. Questionado sobre a afirmação do ministro da Fazenda, Guido Mantega, de que a reestruturação das dívidas dos Estados com a União é "algo inexeqüível", o governador mineiro disse que os Estados são "exemplares" no cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). "Minas, e vários outros Estados, têm feito um esforço hercúleo, inclusive cumprindo com os seus compromissos para com o governo federal. O que nós estamos falando não é nada que beneficie Estados, mas beneficia o País, a racionalização da máquina pública", disse Aécio, ao participar pela manhã de uma solenidade de entrega de veículos para transporte escolar.Ele, porém, não deixou de alfinetar o ministro da Fazenda ao lembrar a oposição do PT à LRF durante o governo Fernando Henrique Cardoso. "Pelo menos eu não proponho nada que fira a Lei de Responsabilidade Fiscal. Aliás, uma lei construída por nós, infelizmente, naquele momento com a oposição do PT. Fico feliz de ver agora, o ministro Mantega, uma das principais figuras do PT, defendendo de forma tão enfática a nossa Lei de Responsabilidade Fiscal", afirmou. "Isso já é um grande avanço".Encontro com HartungAécio se reuniu nesta sexta-feira com o governador reeleito do Espírito Santo, Paulo Hartung (PMDB), para buscar o consenso na construção de uma agenda de propostas. Para Aécio, as conversas entre os governadores não deve ser encarada como uma movimentação contra o governo federal. "O governo deve receber esta movimentação como algo natural e, mais do que legítimo, necessário à construção de uma federação que não seja apenas uma frase, uma palavra numa folha de papel", disse. Aécio defendeu também uma reunião com todos os governadores eleitos da região Sudeste para discutir uma articulação regional comum nas áreas administrativa, fiscal e de segurança pública.Colaborou Raquel MassoteEste texto foi ampliado às 17h34 para acréscimo de informações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.