Aécio volta a criticar política econômica de Dilma

Em passagem pela capital gaúcha na tarde deste sábado, 02, o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, voltou a criticar a política econômica do atual governo petista. "O Brasil não pode mais aceitar esse quadro gravíssimo de estagflação que o governo do PT vai deixar ao seu sucessor, de perda de capacidade de crescimento", afirmou em entrevista coletiva antes de seguir para comício ao lado da candidata do PP ao governo gaúcho, Ana Amélia Lemos.

GABRIELA LARA E LUCAS AZEVEDO, Estadão Conteúdo

02 de agosto de 2014 | 17h29

O senador mineiro citou dados sobre o encolhimento da atividade industrial brasileira e disse que, se eleito, apresentará um projeto de simplificação tributária para aumentar a competitividade das empresas nacionais. Hoje de manhã, em caminhada realizada em Curitiba, Aécio já havia falado em "caos da indústria".

Em Porto Alegre, ele também mencionou a incapacidade do País de buscar novos parceiros comerciais fora do Mercosul. "Nós não podemos estar permanentemente amarrados às conveniências de todos os países do bloco. Uma flexibilização das regras do Mercosul terá de ser discutida", disse.

Ao ser perguntado sobre quais medidas ele adotaria para impulsionar o crescimento da economia brasileira, se eleito, Aécio disse que a própria vitória do PSDB favoreceria a formação de um ambiente "mais propício" para a retomada do crescimento. "O período entre a nossa eleição e a posse será um período favorável para retomar o diálogo com diversas partes do mundo", disse. "O Brasil a cada ano vem reduzindo sua participação no comércio internacional e nossas empresas têm tido dificuldade de se internacionalizar", acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.