Aécio recebe apoio de intelectuais de esquerda

Nesta reta final de segundo turno, o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, recebeu apoio de intelectuais e profissionais liberais que assinaram um manifesto intitulado "Esquerda Democrática com Aécio Neves". Lançado no dia 16, tinha 774 apoiadores até o início da tarde desta segunda-feira, reunindo nomes que já foram simpatizantes do PT e da ex-senadora Marina Silva (PSB), como o ator Marcos Palmeira, os cineastas Zelito Viana e Wladimir Carvalho, a produtora cultural Helena Severo, o economista José Eli da Veiga e o cientista político José Álvaro Moises, ambos da USP, o ex-presidente do IBGE Sergio Besserman Vianna e o cientista político Luiz Eduardo Soares, que foi Secretário de Nacional Segurança em 2003, no governo Luiz Inácio Lula da Silva.

ELIZABETH LOPES, Estadão Conteúdo

20 de outubro de 2014 | 18h13

Outro apoiador é o ministro aposentado do STF Eros Grau, que foi indicado no governo petista de Luiz Inácio Lula da Silva, mas já declarou que sempre foi simpático ao PSDB e é muito amigo do vice na chapa tucana, senador Aloysio Nunes Ferreira. No manifesto de dez tópicos, muito signatários afirmam que no passado votaram no PT, mas agora votam em Aécio Neves em defesa do "pluralismo democrático" e dizem terem ficado decepcionados com a forma como o PT tratou a presidenciável Marina Silva (PSB) no primeiro turno, hoje aliada de Aécio.

"A campanha petista no primeiro turno valeu-se de táticas e subterfúgios que desonram o bom debate. Caluniou, difamou e agrediu moralmente a candidatura de Marina Silva, sob o pretexto de que seria preciso fazer um ''aguerrido'' confronto político. Atropelou regras procedimentais e parâmetros éticos preciosos para a esquerda e a democracia", diz um dos trechos do manifesto. Em outro, os signatários destacam: "Sempre respeitamos o PT em cujos candidatos muitos de nós já votaram. Pensamos que o rico pluralismo da esquerda deve se combinar com a recusa a qualquer posicionamento inflexível, submisso a princípios abstratos ou comandos partidários. Não aceitamos que nenhum partido atue como se fosse o único representante coerente da esquerda ou da democracia."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.