Aécio quer solução rápida para nova CLT

O presidente da Câmara, deputado Aécio Neves (PSDB-MG), anunciou que vai começar a sessão de hoje à tarde do plenário da casa com o processo de votação do projeto que muda a legislação trabalhista. Ele disse que quer uma solução rápida para este projeto, independentemente do seu resultado, porque está determinado a levar à votação, em segundo turno, ainda hoje, a proposta de emenda constitucional (PEC) que restringe a imunidade parlamentar. Essa votação ocorreria numa sessão extraordinária, depois da votação do projeto da legislação trabalhista. Em relação ao incidente com o deputado Paulo Paim (PT-RS), que rasgou a Constituição em plenário e jogou os pedaços dela sobre membros da mesa da Câmara, Aécio disse que não gostou da atitude do parlamentar gaúcho, mas que não está na sua alçada de presidente da casa adotar medida punitiva. Segundo ele, no entanto, se houver representação, dará seguimento ao pedido. O líder do PFL, Inocêncio Oliveira (PE), já anunciou que apresentará essa representação ao Conselho de Ética, por falta de decoro, e defenderá a cassação de Paim. "Gosto muito do Paim, e houve um pedido de desculpas, que me pareceu muito sincero", disse Aécio. Mas, a decisão não cabe a mim". O presidente da Câmara admitiu também a possibilidade de prorrogar a sessão legislativa, que se encerra em 15 de dezembro, até a véspera do Natal, para concluir a votação do Orçamento da União para 2002, se for necessário. Essa prorrogação, no entanto, segundo ele, não implicará pagamento extra aos parlamentares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.