Aécio quer fim da reeleição e mandato de cinco anos

O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), reiterou nesta segunda-feira sua defesa pelo fim da reeleição e a adoção de um mandato de cinco anos para os cargos do Executivo. Mas salientou que, apesar de o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), também já ter se manifestado a favor da proposta, não se trata ainda de uma posição partidária. "Sou favorável a um mandato de cinco anos sem reeleição. Me parece o mais próximo das nossas tradições republicanas e melhor ao País. Mas essa é uma decisão que será travada no Congresso Nacional", disse Aécio, após um encontro com líderes tucanos na Câmara dos Deputados, no Palácio das Mangabeiras.Na sua opinião, esta não deve ser uma ação prioritária do partido. Aécio, no entanto, destacou que "o Congresso e a Câmara em especial, no momento certo, estará discutindo essa matéria".Reforma eleitoralPara o líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Antônio Carlos Pannunzio (SP), o momento certo é 2007. "O ideal nessas questões relacionadas com reforma eleitoral ou reforma política é discuti-las no ano em que não tem eleição e o ano que não tem eleição é exatamente este ano de 2007. Seria muito bom que pudéssemos esgotar essa pauta, pelo menos com esses temas mais relevantes, até o final deste ano". Pannunzio fez coro a Aécio ao afirmar que também é a favor do fim da reeleição. "Sou da opinião que o instituto da reeleição foge um pouco às nossas tradições e não é o melhor para o Brasil", afirmou, ressaltando que trata-se de uma opinião pessoal. "Não há ainda uma posição da bancada e não há uma posição do partido".Aécio argumentou ainda que a reeleição inibe a renovação das lideranças políticas do País. "Em conversas com o governador José Serra, em conversas com outras lideranças do partido, nós admitimos que a reeleição, ela leva quase uma imposição à recandidatura", disse o governador, que também teve o cuidado de classificar a posição como pessoal. "Não houve um debate consistente no partido para que a gente pudesse dizer que essa é uma posição partidária". EncontroAlém de Pannunzio, participaram do encontro líder da minoria, Júlio Redecker (RS), o vice-líder Leonardo Vilela (GO) e o vice-presidente da Câmara, Nárcio Rodrigues (MG), entre outros. Os tucanos garantiram que o tema da reunião não passou por 2010, quando Aécio e Serra, potenciais candidatos da legenda à Presidência, poderão disputar a indicação do partido. Segundo eles, este foi o primeiro de uma série de encontros com as principais lideranças regionais do PSDB. "Serra Presidente" Representantes das polícias Civil e Militar de Minas aproveitaram a reunião partidária para provocar o governador. Em campanha por reajuste salarial e ameaçando com uma paralisação, eles levaram um carro de som para as imediações do Palácio das Mangabeiras e estenderam uma faixa com os dizeres: "Policiais e Bombeiros, Aécio não valoriza a gente! `Serra Presidente´".Os manifestantes também levaram caixões simbolizando policiais mortos durante a atual gestão. Um dos caixões foi queimado. Questionado, o governador disse que não viu a manifestação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.