Aécio promete 'choque de infraestrutura' no NE

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), em seu roadshow pelo Nordeste, chegou à Paraíba no início da noite de hoje com discurso calibrado para seu público-alvo. Voltou a prometer um choque de infraestrutura para a região e disse que pretende fazer uma levantamento das obras inacabadas e das essenciais e garantiu que quer finalizá-las, caso seja eleito. Citou o sofrimento dos paraibanos com o fato de a transposição do rio São Francisco estar pela metade.

DÉBORA BERGAMASCO, ENVIADA ESPECIAL, Agência Estado

27 Junho 2014 | 20h37

Para convencer os nordestinos de que tem experiência para gerir os problemas da região, Aécio disse que, em seus oito anos de governo em Minas Gerais, investiu três vezes mais na região do Vale do Jequitinhonha, a mais pobre do Estado. O candidato também demonstrou interesse na cultura local e fez questão de dizer: "Gente, estou louco para comer uma boa carne de sol, mais tarde".

Após o desfecho das alianças partidárias de São Paulo, que contemplou os interesses de Aécio e contrariou os do governador paulista, Geraldo Alckmin, o neto de Tancredo Neves foi recebido no aeroporto de Campina Grande, na Paraíba, com uma apresentação de xaxado. O grupo Tropeiros de Borborema apresentou uma coreografia que costumava ser executada pelo bando de cangaceiros de Lampião sempre que o grupo voltava de embates sangrentos pelo sertão. Aécio entrou na dança e chegou a empunhar uma espingarda cenográfica para o alto.

Antes de desfilar pela autointitulada "maior festa de São João do mundo", o candidato tucano recebeu uma carta das mãos de Patrick Dornelles, 17 anos e 108 centímetros de altura, portador de uma doença rara. O jovem pediu o engajamento de Aécio à causa das doenças pouco pesquisadas. Contou ao candidato tucano que em agosto do ano passado enviou uma carta para a presidente Dilma Rousseff pedindo ajuda, mas que nunca obteve resposta. Ouviu de Aécio: "Você tem em mim um parceiro".

Com os dois primeiros botões da camisa abertos, por onde passou Aécio arrancou gritos como "lindo, com esse mineiro só Jesus me salva". Também deixou uma vendedora de café com as mãos tremendo, após receber um beijo na bochecha.

Mais conteúdo sobre:
eleiçõesParaíbaAécio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.