Aécio pede e Lula amplia proposta ao PSDB

Em nova tentativa de atrair o PSDB e aprovar no Senado a prorrogação da CPMF, o governo vai engordar o pacote proposto na segunda-feira e rejeitado 24 horas depois pelos tucanos. A pedido do governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva concordou com a idéia de escalonar o prazo para Estados e municípios se adequarem à Emenda 29, que define como deve ser a aplicação de recursos na área da saúde. A ordem, agora, é mobilizar a base aliada em torno dessa negociação.Lula saiu da conversa com Aécio em Belo Horizonte, quarta-feira, convencido de que é possível dividir em prestações os R$ 6 bilhões que governadores e prefeitos terão de desembolsar por ano para a saúde, entre 2008 e 2011. Aprovada pela Câmara na semana passada, a Emenda 29 obriga os Estados a aplicar 12% da arrecadação dos impostos no setor. Os municípios devem investir 15%. ?O mesmo prazo que foi dado à União será dado a vocês. Não se preocupe?, disse Lula a Aécio.Em duas semanas de negociação, o governo se comprometeu a repassar R$ 24 bilhões adicionais à saúde com o dinheiro que entra da CPMF. Depois que a bancada do PSDB decidiu recusar a oferta, no entanto, Lula foi alertado de que seria preciso compensar possíveis perdas de Estados e municípios, já que sua proposta para a CPMF afeta o Imposto de Renda. Na terça-feira, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, propôs isentar quem ganha até R$ 4.340 do pagamento da CPMF. Para pessoas físicas com rendimento superior a esse valor, a CPMF paga poderia ser deduzida do IR até o limite de R$ 214,47.Na prática, a idéia de escalonar os investimentos em saúde para dar uma folga a governadores e prefeitos já consta de projeto que passou pela Comissão de Assuntos Sociais do Senado. ?Essa negociação é muito razoável?, afirmou o ministro das Relações Institucionais, Walfrido Mares Guia. ?É impossível pedir, por exemplo, à governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius, que triplique os investimentos em saúde de uma hora para outra, com todas as dificuldades que está enfrentando.?Para o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), a proposta em estudo aliviará o caixa dos Estados e municípios. ?A idéia é escalonar o que governadores e prefeitos terão de investir em saúde?, afirmou. ?Não está nada fechado, mas pode ser 25% a cada ano.? As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.