Aécio pede auditoria preventiva em contrato com GTech

O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), determinou hoje à Auditoria Geral do Estado que seja feita uma auditoria "preventiva" no contrato firmado entre a GTech do Brasil Ltda. e a Loteria Mineira. A auditora Maria Celeste Morais Guimarães irá apurar suspeitas de irregularidades em um procedimento que levou à extinção de uma dívida da empresa.Durante o governo Eduardo Azeredo (PSDB) a GTech venceu a concorrência pública para a exploração de jogos no Estado. Em novembro de 2000, já na administração do ex-governador Itamar Franco, o governo mineiro perdoou uma dívida de cerca de R$ 29 milhões que a autarquia aplicou à empresa pelo não cumprimento da meta de instalação de máquinas dos jogos eletrônicos. Pelo contrato, a GTech teria de instalar três mil máquinas. A Loteria havia contabilizado a instalação de apenas 821.A Procuradoria Geral do Estado foi acionada e elaborou um estudo confirmando a quebra contratual. A GTech apresentou um recurso administrativo diretamente ao governador Itamar Franco, que o encaminhou novamente à Procuradoria. O perdão da dívida foi publicado no Minas Gerais, Diário Oficial do Estado, em 30 de novembro. Logo depois, o contrato da Loteria Mineira com a GTech foi renovado, com validade até outubro de 2006.Na época, Greco justificou a extinção da multa, afirmando que a GTech superou os limites fixados no contrato original (três mil máquinas). O argumento apresentado pela empresa e acatado pela Procuradoria era de que havia sido informado apenas a instalação de máquinas relativas a um dos jogos explorados. O número total de máquinas instaladas no período do contrato seria de 3.342.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.