Aécio Neves defende reformulação do Mercosul

O senador Aécio Neves (PSDB), provável candidato tucano a presidente da República, criticou, nesta sexta-feira, 29, as restrições impostas por Argentina e Venezuela em negociações para acordos de livre comércio do Mercosul com outros blocos Econômicos. Aécio, que propôs uma reformulação no Mercosul, afirmou que "Argentina e Venezuela não podem amarrar o desenvolvimento do Brasil" e defendeu uma menor intervenção dos vizinhos nas negociações bilaterais.

GUSTAVO PORTO, Agência Estado

29 de novembro de 2013 | 17h01

"Eu não acabaria com o Mercosul. Mas temos de sair das amarras de uma região aduaneira que estabelece o Mercosul para uma área de livre comércio, onde possamos fazer acordos bilaterais que não interessam ao bloco", disse Aécio, após palestra no Sindicato da Construção Civil, em São Paulo.

Aécio lembrou que o Brasil é uma das maiores economias do mundo e apenas o 25º país exportador. "Isso não é razoável, não é algo minimamente equilibrado e foram três acordos em dez anos do Mercosul", disse ele.

O senador voltou a criticar a Argentina ao comentar as negociações entre o Mercosul e União Europeia. "Há uma preocupação central com a União Europeia e a Argentina já deu um passo atrás. Se houver um entendimento entre Estados Unidos e União Europeia, concorrentes nossos e mercados nossos, nós vamos ficar fora das cadeias internacionais".

Tudo o que sabemos sobre:
AécioMercosul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.