Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Aécio Neves defende reeleição de Rodrigo Maia na Câmara

Declaração do tucano foi a primeira manifestação pública sobre a posição da sigla

Pedro Venceslau, enviado especial, O Estado de S. Paulo

19 de novembro de 2016 | 16h47

BRASÍLIA - O senador Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou ao Estado que seu partido vai abrir mão de lançar um candidato à presidência da Câmara caso o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) obtenha aval jurídico para tentar renovar seu mandato. Essa foi a primeira manifestação pública do tucano sobre a posição da sigla. 

Um parecer elaborado em julho pela assessoria jurídica da Casa, portanto ainda na gestão Eduardo Cunha (PMDB-RJ), informa que a Constituição e o Regimento Interno não permitem que presidente da Casa tente a reeleição na mesma legislatura. 

Após a renúncia de Cunha, Maia foi eleito, com apoio decisivo do PSDB, para um mandato-tampão de presidente da Câmara. Na ocasião, foi selado um acordo pelo qual ele apoiaria o líder tucano, Antonio Imbassahy (BA) na disputa pela presidência da Casa em 2017. 

“Desde que nós apoiamos a eleição do Rodrigo Maia, havia intenção de lançar candidato à sucessão, com apoio dele. Ele nos procurou para dizer que está examinando a possibilidade, em razão de pareceres que recebeu, de disputar a reeleição. Eu disse que ele não é nosso adversário”, afirmou Aécio. 

“Se ele, do ponto de vista jurídico, obtiver as condições para a disputa, vou trabalhar junto ao partido para que ele seja a opção natural do PSDB. Se não houver a possibilidade dele disputar, esperamos essa recíproca”, concluiu o senador mineiro. Aécio, porém, disse que Imbassahy é um dos nomes do partido para disputa, mas que a decisão, caso haja impedimento jurídico de Maia, não está tomada. “A bancada é que tomará decisão. O líder é um dos nomes.”

A posição de Aécio conta o respaldo de todas as alas do partido, como a do ministro de Relações Exteriores, José Serra, e a do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. 

No páreo. Em outra frente, os líderes de partidos que formam o Centrão devem lançar um nome na disputa contra Maia. O bloco é formado por 13 partidos da base aliada e liderado pelos três maiores – PP, PSD e PTB. 

Com a maior bancada na Câmara, com 67 deputados, o PMDB tem sido assediado pelos dois grupos da base aliada do governo que pretendem disputar o comando da Casa: o Centrão e a antiga oposição – PSDB, DEM, PPS e PSB. 

Além da presidência, outros cargos da Mesa Diretora da Câmara também serão escolhidos no pleito de fevereiro de 2017.

A articulação entre as legendas também visa garantir espaço na Mesa na próxima legislatura. O PMDB reivindica a vice-presidência da Câmara ou a primeira secretaria.

Os partidos também têm de definir os líderes das bancadas que formarão o colégio de líderes a partir de 2017.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.