Aécio Neves afirma que queda de juros é tímida

O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), não quis se pronunciar nesta sexta-feira, 26, sobre as declarações do governador de São Paulo, José Serra (PSDB), acerca do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal. Na quinta-feira, no entanto, ele havia dito que considerava tímido o corte de 0,25 ponto percentual na taxa básica de juros, definido pelo Comitê de Política Monetária (Copom), um dia antes."A seqüência é de queda (dos juros), isso certamente é importante, mas é sempre difícil você prever que seria melhor um pouco mais. Mas eu confesso, pessoalmente, que as expectativas geradas pelo PAC apontavam na direção de uma queda um pouco maior", disse Aécio, durante anúncio da nova diretoria do Banco de Desenvolvimento do Estado de Minas Gerais (BDMG).O governador acrescentou que o crescimento econômico é influenciado por fatores psicológicos e o governo federal poderia ter sido mais ousado, o que estimularia a iniciativa privada a aumentar seus investimentos. As declarações foram feitas num momento em que Aécio já tinha conhecimento das críticas feitas por Serra ao PAC, mas ele não citou o governador paulista.Na terça-feira, dia seguinte ao anúncio do PAC, o governador mineiro tinha manifestado preocupação com a possibilidade de Minas perder até R$ 320 milhões em arrecadação, por causa das desonerações tributárias contidas no programa. Ele também havia criticado o governo Lula por falta de diálogo com os estados na elaboração das medidas.Aécio confirmou presença na reunião dos governadores, na próxima segunda-feira, que vai discutir uma contraproposta ao PAC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.