Aécio nega que tenha admitido favoritismo de Serra no PSDB

Segundo governador mineiro, Serra teria hoje maior 'probabilidade', mas quadro pode mudar em 3 meses

Raquel Massote, da Agência Estado,

04 de junho de 2009 | 12h03

O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), negou nesta quinta-feira, 4, que tenha admitido o favoritismo do governador de São Paulo, José Serra (PSDB), na disputa interna do partido para a escolha do candidato à Presidência da República.

 

Veja também:

linkAécio admite que Serra tem mais chance de ser candidato do PSDB

 

Aécio afirmou que, na quarta, em Brasília, disse que, se fossem analisadas as recentes pesquisas eleitorais, Serra teria maior "probabilidade". Isso, de acordo com Aécio, não significa que o quadro seja o mesmo dentro de três meses. Aécio participou da abertura oficial SuperAgro Minas 2009, realizada pelo governo do Estado e cujo objetivo é promover o desenvolvimento do agronegócio mineiro.

 

"O que eu disse é que hoje, dentro do PSDB, qualquer analista diria que o Serra tem maior probabilidade. Não quer dizer que, no momento da decisão, isso prevaleça." Aécio enfatizou também que pretende continuar as viagens pelo País em busca de uma nova convergência não apenas para tornar viável uma candidatura, mas também para ajudar o PSDB e chegar à vitória.

 

"O meu sentimento hoje é de extremo ânimo com as manifestações que tenho recebido." Aécio se referia à manifestação do ministro do Trabalho e presidente licenciado do PDT, Carlos Lupi, sobre o possível apoio do partido ao PSDB, caso o candidato seja o governador mineiro.

 

Dilma

 

Sobre o crescimento da candidatura da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, ao Palácio do Planalto, Aécio considerou que o resultado das mais recentes pesquisas era esperado e que ainda estão aquém do patamar ao qual ela pode chegar até o fim do ano porque é uma candidatura do PT, apoiada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

 

Para o governador mineiro, Dilma poderá chegar ao peso de 30% nas pesquisas. Quanto à candidatura do PSDB, Aécio reiterou que começará a ser definida a partir de dezembro pelas bases do partido. Aécio e Serra encontram-se amanhã (05), em Belo Horizonte, para assinar acordo de substituição tributária para alguns setores da economia. De acordo com o governador, estes termos permitirão a arrecadação de impostos na origem e poderão inibir a fraude e a sonegação fiscal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.