Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Aécio nega preocupação do PSDB com nomes de tucanos na lista de Janot

Senador afirma não temer a chance de haver nome do partido na relação de investigados da Lava Jato a ser revelada por procurador

Pedro Venceslau e Elizabeth Lopes, O Estado de S. Paulo

27 Fevereiro 2015 | 16h26

Atualizado às 22h00

São Paulo - O senador e presidente nacional do PSDB, Aécio Neves (MG), afirmou nesta sexta-feira, 27, que não está preocupado com a possibilidade de aparecer algum tucano na lista de políticos investigados na Lava Jato. Os pedidos para a abertura de inquéritos contra suspeitos com foro privilegiado serão entregues nos próximos dias pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal.

“Somos homens públicos preocupados com a situação do País”, disse o tucano, depois de participar de um almoço com as principais lideranças do PSDB na sede do Instituto Fernando Henrique Cardoso, no centro da cidade de São Paulo.

A expectativa é de que até o começo da semana que vem Janot apresente ao Supremo a lista de políticos que apareceram nas investigações da Lava Jato, que apura fraudes em licitações de obras e pagamentos de propina por empreiteiras que atuam em contratos da Petrobrás. 

" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX;

Ainda não se sabe se o procurador-geral da República vai pedir a abertura de ações penais contra os políticos ou se vai pedir a aberturas de inquéritos para aprofundar as investigações.

Quando questionado sobre a tentativa do PT de estender as investigações da CPI da Petrobrás na Câmara aos oito anos da gestão FHC, o senador José Serra, outro tucano que participou da reunião, fez piada. “Deviam investigar a participação dele também na mudança da capital do Rio de Janeiro para Brasília.” 

A tentativa do PT de apurar o período FHC se baseia no depoimento do ex-gerente da estatal Pedro Barusco, que disse em sua delação premiada que começou a receber propinas em contratos da Petrobrás em 1997, durante o primeiro mandato de Fernando Henrique Cardoso. 

Já Aécio, ao ser questionado sobre rumores de que seu nome estaria na lista de Janot, afirmou que a história “é uma piada”. Em seu blog, o jornalista da Rede Bandeirantes Ricardo Boechat afirmou que o senador mineiro poderá estar entre os investigados pelo procurador-geral.

Até agora, dois nomes do PSDB foram citados nas investigações da Lava Jato. O do ex-senador Sérgio Guerra, que morreu no início do ano passado – ele é apontado por um dos delatores do esquema de ter recebido R$ 10 milhões de uma empreiteira para ajudar a abafar a CPI da Petrobrás que funcionou no ano de 2009 –, e o do senador Antonio Anastasia, que segundo um dos integrantes do esquema teria recebido R$ 1 milhão para a campanha de 2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.