Aécio: Lula deixará 'herança perversa' de descontrole de gastos

Candidato potencial à sucessãodo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o governador de MinasGerais, Aécio Neves (PSDB), partiu para o ataque e acusou naquarta-feira o atual governo de descontrole de gastos, o que,em sua opinião, será uma "herança perversa" para o próximopresidente. Aécio buscou inverter o mote utilizado pelo governo Lula deque precisou lidar com uma "herança maldita" na economiadeixada pelos oito anos de governo tucano do ex-presidenteFernando Henrique Cardoso. O governador afirmou que o governo de Lula "despreza" asboas práticas de gestão e que o descontrole de gastos com aestrutura do Estado será um problema para quem assumir apresidência após as eleições de 2010. "Lamentavelmente, um dos problemas maiores que vejo noplano federal é um absoluto desprezo à boa prática da gestãopública", disse Aécio, em entrevista após assinatura deconvênio do governo mineiro com o Banco Mundial (Bird) paraempréstimo de 976 milhões de dólares. "O governo tem mérito, o presidente Lula tem? Eu osreconheço permanentemente, mas essa minha franqueza me obriga adizer que uma das mais perversas heranças que deverão serassumidas pelo próximo governante é esse aumento descontroladodos gastos públicos", acrescentou Aécio. . Apesar de constantes elogios mútuos, principalmente após oapoio de Lula a uma aliança do PT com o PSDB nas eleiçõesmunicipais em Belo Horizonte, Aécio não poupou o governofederal de críticas. O governador respondia a uma pergunta sobre a polêmica emtorno da transformação da Secretaria da Pesca em ministério,mas não estendeu as críticas aos gastos e ao aumento daestrutura administrativa do governo. "O governo gasta demais e gasta mal. Muitos deles (gastospúblicos) são incomprimíveis no futuro, sem que isso setransforme efetivamente em melhoria da qualidade do serviçopúblico", afirmou. O tucano afirmou que Minas e outros Estados devem darexemplo de gestão para o governo federal. "No Brasil, começa a haver um processo de introdução doconceito da boa gestão pública a partir dos estados federados.Acho que talvez nós conseguimos avançar um pouco mais até poreu já estar no segundo mandato", disse Aécio, salientando queprincípios de boa gestão pública ainda não foram incorporadospelo governo federal. Durante o evento de assinatura do convênio, o diretor doBird para o Brasil, John Briscoe, classificou como desafio amelhoria dos serviços públicos sem o descontrole dos gastos. "Como Murilo Portugal falava, o brasileiro paga por umserviço de cinco estrelas, mas, geralmente, recebe serviço sóde duas, três estrelas", disse, citando oex-secretário-executivo do Ministério da Fazenda.(Reportagem de Marcelo Portela)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.