Aécio ironiza proposta de 3º mandato para Lula em 2010

Para o governador, o mandato do presidente termina em 2010 e PSDB precisa se preparar para disputar eleições

LEONENCIO NOSSA E JAMIL CHADE, Agencia Estado

29 Outubro 2007 | 15h38

O governador de Minas, Aécio Neves (PSDB), disse que o PSDB não pode entrar numa terceira "aventura" eleitoral em 2010 e ironizou os petistas que querem um terceiro mandato consecutivo para o presidente Lula. Em entrevista na Suíça, onde, nesta terça-feira, participa na sede da Fifa da festa de anúncio do país-sede da Copa do Mundo de 2014, Aécio disse que a novidade do próximo pleito presidencial é a ausência de Lula nas cédulas.   Veja Também: Lula descarta 3o mandato e diz que prioridade é crescimento  'Discussão sobre 3º mandato não tem cabimento', diz Tarso       "O presidente termina seu mandato em 2010 e nós temos que nos preparar para disputar e com boas chances", afirmou. "Até porque, depois de 40 anos, pela primeira vez vamos ter uma eleição direta sem o Lula."Em conversa com jornalistas, Aécio disse que o fato do presidente não disputar a próxima eleição é uma "mudança extraordinária". "Depois do Jânio, não tivemos nenhuma eleição direta sem o Lula na chapa, só isso já é uma mudança extraordinária, muda tudo", afirmou. O governador disse avaliar que a proposta de um terceiro mandato consecutivo, que foi rejeitada em público pelo próprio Lula, é uma tentativa "séria" de alguns setores, não do presidente.  A um comentário de que Lula estará ausente nas cédulas mas poderia estar presente nos "santinhos" dos candidatos, Aécio Neves disse que o Brasil não tem tradição de transferência de votos.AventuraAécio Neves disse que o PSDB deve levar em conta o potencial de crescimento dos pré-candidatos para a escolha do nome que representará o partido em 2010. Ele avaliou que o candidato deve ter capacidade de unir forças políticas, fazer alianças e demonstrar "naturalidade". "O PSDB estará unido, até porque tem juízo", disse. "Já apanhamos tanto, perdemos duas eleições seguidas. O PSDB não vai entrar em aventura", completou. "O candidato do PSDB vai ser o que demonstrar naturalidade eleitoral e capacidade de construir alianças."Aécio ressaltou que tanto o governador de São Paulo, José Serra, que também está em Zurique, quanto Geraldo Alckmin não conseguiram atingir esses pontos em 2002 e 2006, respectivamente.  "Tivemos, em determinados momentos, candidaturas que não atingiram uma dose de naturalidade", afirmou. "(Serra e Alckmin) foram dois experientes candidatos, dois homens públicos dos mais preparados, mas naquele momento não eram os candidatos naturais", ressaltou. Aécio Neves disse que a escolha do candidato do PSDB para concorrer em 2010 não deve levar em conta apenas pesquisa, mas potencialidade de crescimento.A uma pergunta se assistiria a Copa do Mundo de 2014 apenas como simples torcedor ou ocupando um outro cargo, o governador respondeu: "Isso não depende de mim, depende das pessoas, do País". "Espero que em 2014 possamos crescer com taxas mais vigorosas", completou. "Estarei nesse time, não importa em qual posição."  

Mais conteúdo sobre:
Terceiro mandato2010Lula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.