Aécio insiste na idéia da MP revogatória

Após uma reunião com os ministros Pedro Parente, da Casa Civil, e Euclides Scalco, da Secretaria Geral da Presidência, o presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), disse que "foi bem recebida" a proposta de instituição da medida provisória revogadora. Aécio, entretanto, evitou dar detalhes da conversa com os dois ministros. O presidente da Câmara voltou a dizer que foi estudado o mecanismo para ser utilizado "no eventual emperramento da pauta". Ele explicou que, por este mecanismo, uma medida provisória seria revogada e enviada ao Congresso em forma de projeto de lei, "sem a premência da medida provisória". Quanto às críticas que a proposta tem recebido, até mesmo de líderes da base governista, Aécio afirmou que ainda é muito cedo para avaliá-las, porque os estudos sobre o assunto estão no início. "As conversas com os ministros foram apenas preliminares", observou.Setor elétrico, na terçaAécio Neves informou ainda que vai colocar em votação, na próxima terça-feira, às 16 horas, a medida provisória que transfere para o consumidor o prejuízo sofrido pelas concessionárias do setor elétrico com o racionamento de energia. Aécio disse que o relator da MP, deputado José Carlos Alelua (PFL-BA), se comprometeu a apresentar seu parecer naquela data. O presidente da Câmara previu que o texto deverá sofrer modificações, que estão sendo negociadas pelo líder do governo na Câmara, Arnaldo Madeira (PSDB-SP), com o PFL e os partidos de oposição. "Não acredito em unanimidade", afirmou Aécio, sobre a votação.O presidente da Câmara declarou que, superada a tramitação da medida provisória do setor elétrico, pretende intensificar o ritmo de votações. O anúnciou de Aécio foi feito logo após a decisão anunciada pelo líder do PFL, Inocêncio Oliveira, de apoiar a votação da MP do setor elétrico na próxima terça-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.