Aécio estimula vice a concorrer ao governo de Minas em 2010

Antônio Anastasia intensifica agenda para ganhar visibilidade

Eduardo Kattah, O Estadao de S.Paulo

22 de fevereiro de 2009 | 00h00

Enquanto o governador de Minas, Aécio Neves, concentra seus esforços na disputa pela indicação como presidenciável do PSDB em 2010, seu vice, Antônio Augusto Anastasia, tem sido estimulado a assumir uma agenda mais robusta para ganhar visibilidade e se projetar como candidato na sucessão estadual. Filiado ao PSDB, mas com pouca experiência em eleições, Anastasia é o gerente responsável por coordenar o "choque de gestão" na administração. Homem de confiança do governador, o vice é também uma espécie de carta na manga de Aécio, cuja sucessão deve entrar na costura de seu projeto eleitoral ano que vem. "Estou totalmente vinculado às determinações e orientações do governador, não só sob o ponto de vista administrativo, mas também sob o ponto de vista da orientação política", afirma Anastasia. Ele se diz honrado, mas considera cedo para falar em candidatura. "Não vou dizer nem que sim, nem que não, porque é uma hipótese futura."O PT mineiro - que tem dois postulantes a candidato, o ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias, e o ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel -, porém, já ensaia o discurso para se contrapor ao eventual candidato do governador. "O nome deles é o Anastasia", sentencia o presidente estadual, deputado Reginaldo Lopes. "Estamos construindo o nosso projeto. O PT não precisa ter pressa para definir o nome."Reconhecido como eficiente técnico da gestão pública, o vice aos poucos vai se desvinculando da esfera burocrática e adentrando nos bastidores políticos, assumindo com crescente desenvoltura iniciativas como articulador. Intensificou o ritmo de palestras e cada vez mais representa o governo em viagens pelo interior, onde anuncia e inaugura obras e estreita o relacionamento com os políticos locais. "Apesar de técnico, ele tem demonstrado carisma político", diz o deputado Abi-Ackel, presidente do PSDB-MG. Ele prega "cautela" na definição do candidato e afirma que irá se dedicar a "uma consulta prévia às bases". Caso não consiga emplacar a candidatura à Presidência, Aécio deverá se desincompatibilizar para disputar o Senado. Ciente disso, Anastasia já se prepara para assumir o governo, provavelmente em abril de 2010. "Todos nós desejamos que o governador seja candidato a presidente. Mas se não for, será candidato ao Senado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.