'Aécio está sendo covarde', diz líder de grupo anti-Dilma

Decisão do partido de abandonar tese do impeachment revoltou manifestantes que marcham entre São Paulo e Brasília

Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

21 de maio de 2015 | 17h52

São Paulo - O recuo do PSDB levou alguns dos principais grupos anti-Dilma a se rebelar contra o partido. "Hoje o PSDB anunciou que não vai aderir a pauta do impeachment, traindo assim os mais de cinquenta milhões de votos adquiridos na última eleição", disse um comunicado do Movimento Brasil Livre, responsável pela marcha do impeachment que saiu de São Paulo e chegará à Brasília no dia 27.

"O Movimento Brasil Livre vai continuar a sua marcha até Brasília para protocolar o impeachment, pois, diferentes do PSDB, mantemos nossa palavra", diz outro trecho do comunicado. O MBL também disparou nas redes sociais memes dizendo que "Aécio traiu o Brasil".

Parte dos tucanos teme que a mudança de estratégia repercuta mal nas bases do partidos e entre o eleitorado de classe média, que é o principal alvo das propagandas partidárias. Deputados e líderes citam uma pesquisa do instituto Datafolha, feita em abril: 63% dos entrevistados apoiam a iniciativa.

O partido decidiu abandonar a tese do impeachment depois de receber um parecer do jurista Miguel Reale Junior. Ex-ministro da Justiça de Fernando Henrique Cardoso, ele indicou outro caminho, uma ação penal contra a presidente pelas "pedaladas fiscais" - manobra que consiste em atrasar repasses do Tesouro Nacional aos bancos estatais para o pagamento de benefícios sociais.

Em um vídeo postado no Facebook, o líder do Revoltados Online, Marcelo Reis, hostilizou o senador Aécio Neves, presidente do PSDB. "Aécio está sendo covarde. Dilma tem mais colhões que ele".

Tudo o que sabemos sobre:
impeachmentmovimento brasil livrePSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.