Aécio e Serra discordam sobre prazo para candidatura

A conversa por telefone, nesta madrugada, não ajudou os governadores tucanos José Serra e Aécio Neves a chegarem a um acordo. O governador de São Paulo continua firme em sua posição de só tomar uma decisão - sobre disputar ou não a Presidência da República - em março de 2010. E o de Minas está decidido: se o PSDB não definir o nome do candidato até o fim deste ano, ele entrará em 2010 como pré-candidato ao Senado por Minas Gerais.

IVANA MOREIRA E RAQUEL MASSOTE, Agencia Estado

29 Outubro 2009 | 19h55

O diálogo, que se estendeu de meia-noite até quase 1 hora, foi, segundo Aécio, "sereno". O mineiro disse que respeita a posição de Serra, mas que os dois têm "timing" diferente.

O governador de Minas acredita que março será tarde demais para construir alianças com outros partidos em torno de uma candidatura tucana, num projeto, como ele defende, para fugir da polarização entre PSDB e PT.

"Uma eventual candidatura minha deixa de lado o retrovisor e só tem pára-brisa, olha para frente para compreender o que ficou por fazer", declarou Aécio. Para o mineiro, é "inócuo" o debate de quem fez o quê.

O governador de Minas afirmou que está à disposição do seu partido para apresentar uma proposta "renovadora e ousada" para o País. Mas garantiu que respeitará a decisão do PSDB caso a legenda entenda que a candidatura do governador paulista é mais competitiva do que a dele. "O partido tem de respeitar minha posição para garantir um palanque forte em Minas para o governo do Estado e também para a Presidência da República", afirmou, justificando sua decisão de estabelecer um prazo limite para a definição da candidatura.

Aécio garantiu que apoiará uma eventual candidatura de Serra e destacou que ambos têm espírito público suficiente para compreender que precisarão estar unidos para vencer as eleições de 2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.