Aécio e Mercadante criticam falta de autonomia do Congresso

O líder e candidato do PSDB à presidência da Câmara, Aécio Neves (MG), disse, em discurso na tribuna do plenário da Câmara, que caso seja eleito terá como prioridade a votação da proposta de emenda constitucional (PEC) que restringe a edição de medidas provisórias. "Esse é um compromisso de resgate da autonomia e representatividade desta Casa", declarou Aécio, acrescentando que este ato não é uma afronta ao governo, mas uma atitude para recuperar as prerrogativas do Legislativo. Aécio disse ainda que pretende transformar o plenário da Câmara em um grande cenário de debates nacionais e dar ao Legislativo condições de influenciar na política econômica do País. "Distribuir a renda do País não é papel apenas do Poder Executivo". O candidato do PT, Aloízio Mercadante, foi o segundo a discursar e concentrou seu discurso na crítica à falta de autonomia e independência do Congresso em relação ao Poder Executivo. Ele enfatizou a responsabilidade dos atuais candidatos dos partidos da base governista, Aécio Neves e Inocêncio Oliveira, pelo fato de o Congresso ter deixado o Executivo ter legislado por medidas provisórias. "Onde eles estavam nos últimos seis anos para permitir esse atropelo democrático a esta Casa que não legisla?". Mercadante disse ainda que a Câmara tem que reagir com ética e dignidade às denúncias que permearam a disputa pelo comando do Congresso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.