Divulgação
Divulgação

Aécio diz que PSDB não tem vocação para ser 'depósito de petistas derrotados'

'Espero que Minas demonstre de forma clara que não tem essa vocação', declarou o tucano. No Estado, candidato petista está na frente nas intenções de voto para governador

SUZANA INHESTA, CORRESPONDENTE, Estadão Conteúdo

04 de setembro de 2014 | 18h53

Na última agenda do dia em Belo Horizonte, um almoço com deputados federais e estaduais aliados em Minas Gerais em um restaurante em Savassi, o candidato a presidente Aécio Neves (PSDB) disse nesta quinta-feira, 4, que o PSDB "não tem vocação de ser, amanhã, depósito de petistas derrotados em muitas partes do Brasil". Após o encontro, a jornalistas, Aécio afirmou que houve uma percepção consensual entre os correligionários de que o PT está perdendo nos Estados onde governa.

"Espero que Minas Gerais demonstre de forma clara que não tem essa vocação. Temos um projeto para Minas Gerais, qualificadíssimo, e temos de dizer a verdade para combater a mentira que é a tônica do PT", afirmou. Apesar da diminuição da diferença entre os candidatos a governador de Minas Pimenta da Veiga (PSDB) e Fernando Pimentel (PT), apurada pelo Instituto Datafolha, o aspirante tucano ainda está atrás das pesquisas pela vaga no governo do Estado. "Estou confiante. Na hora certa vai prevalecer a razão, e a razão é a eleição de Pimenta", ressaltou Aécio.

" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX;

Ele disse que vê Pimentel como candidato de um partido que governou "de costas" para Minas Gerais - impedindo, de acordo com ele, que o marco regulatório do minério, que traria benefício para o Estado, fosse votado, e não permitindo que a renegociação das dívidas dos governos estaduais fosse analisada. "Minas não merece ter o PT governando seu destino. O PT fracassou no Brasil inteiro. PT vai perder as eleições nacionais e vai perder nos principais Estados que governa hoje. Eu não acredito que, logo em Minas, consciência maior da Nação brasileira, vamos ter retrocesso como esse", enfatizou.

Ânimo. Sobre o almoço, Aécio disse que foi um momento de "reunir forças" e que agora há um "ânimo muito grande" entre todos. "Agora é pé na estrada, força total para vencermos em Minas tanto no pleito estadual quanto no nacional. Em Minas Gerais, vamos fazer barba, cabelo e bigode", declarou. O candidato do PSDB a presidente reiterou que a campanha no Estado deveria vincular um pouco mais as disputas de toda a legenda no País e mostrar o trabalho que foi feito em Minas ao longo de 12 anos de gestão tucana.

De fato, alguns deputados que reclamavam da posição da campanha de Pimenta da Veiga saíram da reunião com discursos diferentes. "Alguns questionaram o programa de Pimenta, que teria de ser mais contundente e mais incisivo", garantiu um dos presentes. "Agora é só incentivo, motivação, para que Minas não fique com os petistas desempregados", prometeu um outro deputado, seguindo o discurso de Aécio. "Saímos de um clima de velório para um de euforia", acredita outro participante.

Após o encontro, o ex-secretário estadual de Governo Danilo de Castro, principal articulador político do candidato do PSDB à Presidência no governo de Minas Gerais, afirmou que a abordagem de Pimenta da Veiga mudará apenas no formato do programa eleitoral gratuito. "Não muda nada não, só o programa que tá mudando. Hoje, foi motivação aos deputados. Motivar para vitória", declarou.

Horário eleitoral. No horário eleitoral gratuito desta quarta-feira, 3, à noite na televisão, apesar do tom do candidato do PSDB a governador de Minas Gerais se manter o mesmo dos dias anteriores, uma mudança sutil ocorreu no logotipo que traz o nome dele: o vermelho, cor predominante do PT, saiu e entrou o azul, usado intensamente pelo PSDB.

Tudo o que sabemos sobre:
ELEIÇÕESAÉCIOMGdeputadosalmoço

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.