Aécio diz que não cogita hipótese de ser vice de Serra

Chapa puro sangue? "Eu sequer cogito essa hipótese", garantiu o governador Aécio Neves (PSDB) quando questionado sobre a possibilidade de ser vice em uma chapa encabeçada pelo governador de São Paulo, José Serra (PSDB). O mineiro repetiu a mesma resposta quando indagado sobre as declarações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, sobre ainda acreditar nesta possibilidade.

IVANA MOREIRA, Agencia Estado

19 de dezembro de 2009 | 16h41

"Eu respeito todas as posições de dentro e de fora do partido e me sinto até honrado quando vejo que algumas pessoas acham o meu papel nesse processo", declarou. "Mas sobre essa questão específica, a minha resposta é muito simples: eu sequer cogito essa hipótese."

Sobre seu empenho para trabalhar em Minas para o candidato que disputará a Presidência pelo PSDB, Aécio foi politicamente correto. Disse que estará ao lado de seus companheiros quando o partido definir o candidato. "Serei mais um soldado, dentre tantos." Mas deu a entender que suas forças são limitadas neste sentido. "Obviamente, o candidato é que vence as eleições."

Em Minas, a avaliação é de que boa parte dos votos que seriam de Aécio, caso ele fosse o candidato tucano, não serão transferidos para José Serra. Pelo contrário. Para políticos e cientistas políticos, boa parte do eleitorado mineiro tenderá a um voto "anti-Serra", o que melhoram as perspectivas para a candidata do governo, Dilma Rousseff. A ministra é mineira e vem intensificando suas visitas ao Estado que é o segundo maior colégio eleitoral do País.

Dois dias depois de desistir de ser pré-candidato à Presidência pelo seu partido, Aécio foi ao norte de Minas inaugurar obras ao lado do vice-governador, Antônio Anastasia (PSDB), seu candidato para disputar a sucessão no governo de Minas.

"Sou todo de Minas e dos mineiros a partir de agora", anunciou em Bonito de Minas, onde esteve para inaugurar o asfaltamento de uma rodovia estadual. "Minas é muito grande; Minas, por si só, justifica a minha ação como homem público." Segundo ele, hoje foi um dia de reencontro com sua gente, com pessoas que lhe transmitem confiança e apoio. "É o meu combustível, é o que me faz movimentar, é o que me permite acreditar no futuro."

Aécio informou que, independentemente das questões nacionais, ele vai percorrer o Estado para inaugurar obras, encontrar companheiros e reacender no coração dos mineiros "um sentimento de esperança". Seu objetivo, garantiu, é conseguir dar continuidade ao modelo de governo que vem desenvolvendo no Estado desde 2003.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesPSDBAécio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.