Aécio diz que indicação de vice pode ter 'surpresas'

Candidato tucano à Presidência, senador vai anunciar nome da chapa na segunda: 'Temos nomes qualificados dentro e fora do PSDB'

Angela Lacerda, enviada especial, O Estado de S. Paulo

28 Junho 2014 | 10h18

 CARUARU – Em uma passagem de 50 minutos em Caruaru, no agreste pernambucano, a 130 quilômetros do Recife, no final da noite desta sexta-feira, 27, o senador Aécio Neves (PSDB) disse que o anúncio do candidato a vice-presidente na sua chapa, na segunda, 30, poderá surpreender. Entre os nomes mais cotados estão o senador cearense Tasso Jereissati – que poderá agregar votos na região Nordeste – e a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Ellen Gracie. Ambos tucanos.

 “Podemos ter surpresas”, disse ele. “Temos nomes qualificados dentro e fora do PSDB”.

 Indagado sobre a importância do vice, ele afirmou que “os vices devem, de alguma forma, complementar a ação do candidato”. “É muito difícil ter um vice que você diga ‘olha, esse vice decide a eleição’”, observou. “Não é da tradição brasileira, as pessoas votam no candidato”. Frisou estar tranquilo em relação ao assunto: “no nosso caso, o problema é a fartura de nomes qualificados”.

 Aécio se derramou em elogios tanto em relação a Tasso como a Gracie. Sobre ela, disse que o seu nome agrada a setores importantes do seu partido. “Uma mulher com uma belíssima história de vida, um conhecimento grande das questões de segurança pública, primeira mulher presidente do STF”. Em relação a Tasso, disse ser um nome sempre bem lembrado e com quem conversa quase todos os dias. “Conversei com ele hoje (27) mesmo”.

 O senador chegou às 22h55 à festa junina de Caruaru, vindo de Campina Grande (PB). As duas cidades disputam quem faz o melhor São João do Nordeste. Recebido pelo prefeito da cidade, Zé Queiroz (PDT), Aécio caminhou pelo Pátio do Forró acompanhado do presidente estadual do partido, deputado federal Bruno Araújo e de lideranças tucanas no Estado.

 Posou para fotos com populares, passeou pela cidade cenográfica – reprodução de uma pequena cidade interiorana e seus costumes – pelo polo das quadrilhas, por um teatro de mamulengos, reverenciou uma grande estátua do “rei do baião” Luiz Gonzaga e tomou água em um restaurante instalado em meio à festa.

 Durante todo o percurso, deu entrevistas. À afirmação de um repórter de que Pernambuco está dividido entre os candidatos Eduardo Campos (PSB) e a presidente Dilma (PT), ele considerou natural que Campos tenha uma “belíssima votação” no Estado que governou, e brincou: “Será que não sobra nenhum (voto) para a gente?”

Mais conteúdo sobre:
Eleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.