Aécio diz que Congresso não transigirá com Arruda

O presidente da Câmara Federal, Aécio Neves (PSDB-MG), disse nesta segunda-feira à noite, em Belo Horizonte, que o Congresso não irá transigir em relação às irregularidades confessadas pelo senador José Roberto Arruda (PSDB-DF), mesmo após a admissão de culpa e o discurso emocionado que ele fez, no Senado."Não haverá contemporização", afirmou Aécio, homenageado na Assembléia Legislativa de Minas. "Foi um discurso corajoso, mas ele terá de responder pelos seus erros", acrescentou.Segundo o parlamentar, embora seja necessário evitar-se "uma sanha pela guilhotina", que parece ter tomado conta de boa parte do Congresso, após o pronunciamento de Arruda, não há como negar que "o clima é de punição", sobretudo no Senado. "É preciso assegurar o direito de defesa", disse. Neves informou que o PSDB ainda não definiu o que fará em relação a Arruda, mas garantiu que o partido também dará a ele "todos os espaços de defesa".O deputado ressaltou ainda que considera esta semana "extremamente importante" para que se entenda o que realmente aconteceu, em relação à suposta violação do painel do Senado. "Devemos aguardar o depoimento do senador Antônio Carlos Magalhães, mas, repito, cada um responderá por seus erros", disse. Neves também assegurou que a Câmara Federal não sofre influências da crise vivida pelo Senado, "uma das mais difíceis" de todos os tempos, mas, de acordo com ele, "localizada"."A Câmara dos Deputados não está em crise, ao contrário, trabalha e continuará trabalhando esta semana", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.