Aécio: Dilma misturou o público e o particular

Provável candidato do PSDB à Presidência da República ano que vem, o senador Aécio Neves (MG) chamou nesta quinta-feira de "mistura entre o público e o particular" o pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV nesta quarta-feira da presidente Dilma Rousseff no qual ela anunciou a redução da conta de energia. Em tom de campanha, Dilma Rousseff aproveitou sua fala para atacar quem se precipitou em fazer previsões de que não seria possível garantir o corte na conta de luz para consumidores residenciais e industriais, setor agricultura e de serviços.

RICARDO BRITO, Agência Estado

24 de janeiro de 2013 | 19h33

"O Brasil assistiu ontem a mais um exemplo inaceitável de como o PT usa, sem constrangimentos, estruturas de Estado para alcançar seus objetivos políticos. Sem razão que justificasse a formação de uma rede nacional obrigatória, vimos a apropriação de um instrumento de Estado para fins político-partidários. Falou à Nação não a presidente da República, mas um partido político, evidenciando, como nunca antes neste País, a mistura entre o público e o particular; o institucional e o partidário", criticou Aécio.

O tucano fez coro à nota divulgada no início da tarde de hoje pelo presidente do partido, o deputado Sérgio Guerra (PE), em que acusa Dilma de ter feito em cadeia nacional um "lançamento prematuro" de sua candidatura à reeleição em 2014. Para o presidente do PSDB, o governo do PT "acaba de ultrapassar um limite perigoso para a sobrevivência da jovem democracia brasileira" ao se valer da máquina do estado para fazer o anúncio em tom de campanha.

"O PSDB manifestou-se em nota reiterando seu compromisso e responsabilidade com o País. Como senador da República, registro meu pesar por este triste marco de quebra do princípio da impessoalidade no exercício da Presidência da República", afirmou Aécio Neves.

Tudo o que sabemos sobre:
PSDBacusaçãoDilmaAécio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.